domingo, agosto 30, 2015

Contas do governo têm o pior resultado para julho desde 1997

Veja online
Com informações Agência Reuters e Estadão Conteúdo

O governo central - que reúne as contas do Tesouro, BC e Previdência Social - teve déficit de R$ 7,2 bilhões em julho, pior resultado da série histórica; arrecadação cai e despesas seguem em alta

(Marcelo Sayão/EFE/VEJA)
 No acumulado do ano até o mês passado, a economia feita 
para o pagamento de juros estava negativa em R$ 9,05 bilhões

O governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência Social) registrou déficit primário de 7,22 bilhões de reais no mês passado, o pior resultado para julho da série histórica, que começou em 1997, informou o Tesouro Nacional, nesta quinta-feira. No acumulado do ano até o mês passado, a economia feita para o pagamento de juros estava negativa em 9,05 bilhões de reais, também o pior resultado desde 1997. Em julho de 2014, as contas do governo haviam registrado déficit de 2,21 bilhões de reais.

A arrecadação federal, que registrou o pior desempenho de janeiro a julho desde 2010, tem impacto o resultado das contas públicas. As receitas foram prejudicadas pela desaceleração econômica e pela desoneração de tributos, na tentativa de aquecer a economia.

O saldo negativo acumulado do ano corresponde a 0,32% do Produto Interno Bruto (PIB). No mesmo período do ano passado, as contas tinham superávit de 15,14 bilhões de reais - porém, a base de comparação é desequilibrada devido à maquiagem fiscal levada adiante pelo governo até o final de 2014. Em 12 meses, o déficit é de 43,9 bilhões de reais, o equivalente a 0,77% do PIB.

Com dificuldades para fazer levar o resultado primário para o campo positivo, o governo reduziu a meta fiscal de 1,1% para 0,15% do PIB, o equivalente a 5,8 bilhões de reais. Contudo, o próprio governo vê com descrédito a nova meta, devido ao acelerado processo de queda da arrecadação. No Ministério da Fazenda, há a percepção que o governo terminará o ano com déficit, mas o resultado pode ir ao campo positivo devido aos abatimentos do PAC permitidos pela lei.

O resultado das receitas de julho representam uma queda real de 4,7% em relação a julho de 2014. Já as despesas tiveram aumento real de 0,7%. No acumulado dos sete primeiros meses do ano, as receitas do governo central recuaram 4,7% e as despesas aumentaram 0,4%.

Tesouro – 
As contas do Tesouro Nacional registraram um déficit primário de 1,72 bilhão de reais em julho, de acordo com dados divulgados pelo órgão. Já as contas da Previdência registraram déficit de 5,67 bilhões de reais no mês passado. As contas do Banco Central, por sua vez, tiveram saldo positivo de 174 milhões de reais em julho.

Investimentos – 
Nos sete primeiros meses sob o comando da nova equipe econômica, os investimentos do governo registram uma queda real de 36,6%. De acordo com dados do Tesouro, os investimentos pagos somaram 32,26 bilhões de reais. Desse total, 23,58 bilhões de reais são restos a pagar, ou seja, despesas de anos anteriores que foram transferidas para 2015. Em julho, as despesas com investimentos foram de 4,46 bilhões, com queda de 39,1% sobre o mesmo mês de 2014.

Os investimentos com o Programa de Aceleração Econômica (PAC) somaram 3,31 bilhões em julho e 23,86 bilhões de reais nos sete primeiros meses do ano, o que representa queda de 39,6% em julho e 36,5% no acumulado do ano.

******* COMENTANDO A NOTÍCIA:

Muito embora a perda do grau soberana da nossa dívida pelas agências de risco nos possa trazer muito mais dificuldades, creio que este governo medíocre da senhora Rousseff só tomará pulso da situação, e convencer-se que é preciso agir com mais seriedade e responsabilidade, se formos penalizados com tamanho castigo.  Até aqui o que vimos foi a tentativa do governo de empurrar os problemas  com a barriga, sem demonstrar grande interesse em combater as dificuldades econômicas geradas por medidas infelizes tomadas no primeiro mandato da presidente.

Nenhum comentário: