domingo, agosto 30, 2015

Metade das crianças ainda não foi vacinada contra a pólio

Da redação
Veja online

A campanha do Ministério da Saúde vai até a próxima segunda-feira e não deverá ser prorrogada.

 (Thinkstock/VEJA)

As crianças que ainda não iniciaram o esquema vacinal contra a poliomielite não receberão a gotinha, mas sim a dose injetável da vacina, que é aplicada aos dois e quatro meses de idade do bebê

De acordo com o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde terça-feira, metade das crianças com idade entre seis meses e cinco anos incompletos ainda precisa ser vacinada contra a paralisia infantil. A campanha, que começou no dia 15 deste mês, imunizou até agora 6,4 milhões crianças em todo o país.

O objetivo é vacinar 12 milhões. São apenas duas gotinhas para a criança ficar protegida. Devem tomar a dose meninas e meninos entre seis meses e cinco anos incompletos.

A campanha vai até a próxima segunda-feira e não há perspectiva de prorrogação.

É importante lembrar que a vacina é a única forma de prevenção contra a paralisia infantil. Durante a campanha também é possível atualizar a caderneta de vacinação infantil contra outras doenças, como sarampo e caxumba.

Contraindicações para a vacina -
Crianças com sintomas como tosse, coriza, rinite ou diarreia podem receber a vacina normalmente. Já aquelas com infecções agudas, febre acima de 38ºC ou hipersensibilidade a algum componente da vacina devem ser avaliadas por um médico.

******* COMENTANDO A NOTÍCIA:

Algumas coisas chamam a atenção nesta matéria. Primeira, para um governo viciado em torrar muitos milhões em propaganda de si mesmo, não conseguimos encontrar um único comercial de utilidade pública informando a população sobre a campanha de vacinação contra a polio. 

Segunda, por se tratar de um importante instrumento de proteção à criança, é injustificável que uma campanha de tamanha importância, se estenda por tão somente 15 dias, sem direito a prorrogação e sem que estivesse acompanhada por um amplo programa de informação e esclarecimento da população. 

É um completo descaso.. 

Nenhum comentário: