sexta-feira, setembro 11, 2015

Um governo para roubar

Sebastião Nery
Tribuna da Internet

Gilberto Amado, senador de Sergipe até 1930, em 1934 queria ser governador. Já escritor famoso, glória e honra de sua gente, faltava governá-la. Eleição indireta comandada pelo Governo, ele foi a Getúlio:

– Presidente, quero ser governador de Sergipe.

– Por que, Gilberto? Você, um homem tão grande, ser governador de um Estado tão pequeno?

– Quero dirigir minha tribo. Isto é fundamental para minha vida.

– Ora, Gilberto, conheço você muito bem. Esta não é a verdadeira razão. Não pode ser. Governar por governar, isso não existe para um homem de seu tamanho, da sua grandeza.

Gilberto Amado sentiu que era preciso apelar. Apelou:

– Pois o senhor quer que eu diga mesmo? Quero ser governador para roubar, roubar, do primeiro ao último dia. Roubar desesperadamente.

Gilberto já estava de pé, as mãos para o alto, os olhos incendiados:

– Isto mesmo, Presidente. Roubar, roubar, roubar!

Gilberto Amado não ganhou Sergipe. Mas Getúlio ficou tão perplexo e encantado que em 1935 o nomeou consultor jurídico do Itamaraty e em 1936 embaixador no Chile. Depois, foi representante permanente do Brasil na ONU, décadas seguidas.Tudo que ele quis.

GABEIRA
Gilberto Amado viveu a vida inteira com o salário de diplomata e direitos autorais. Hoje, se fosse para roubar, iria para um governo do PT. O exemplar jornalista e cidadão Fernando Gabeira denunciou no “Globo” :

– “O Brasil é dirigido por um governo que transformou a política numa delinquência institucional. O país acaba de descobrir o maior escândalo de corrupção da História. Gilmar Mendes colocou o ovo de pé: houve um grande escândalo de corrupção que beneficiou o PT. Dilma fez uma campanha milionária. O “Petrolão” indica que o dinheiro foi para a campanha. Empresas fantasmas já apareceram. Por que não investigar o elo entre a campanha de Dilma e as revelações da Lava-Jato? Como velho jornalista sei que os fatos são como baioneta: sentado neles, espetam”.

O PT pôs Dilma sentada em cima de uma baioneta.

PETROBRÁS
Ainda bem que neste vendaval de números desastrados que são os governos do PT, a Petrobrás, apesar de tudo, da sangria que sofreu, de toda a roubalheira a que foi submetida, não afundou totalmente. Salvou-se.

1.- Seu “Plano de Negócios e Gestão 2015/2019”, determinou corte de investimentos de US$ 206 bilhões para US$ 130 bilhões, como base estrutural na escalada da montanha, forçando a redução do seu tamanho com a venda de partes do ativo no total de US$ 58 bilhões. Hoje a Petrobrás é a empresa mais endividada do mundo: US$ 104 bilhões.

– Felizmente os fundamentos sólidos da empresa resistiram (com enorme prejuízo) aos roubos e rombos. Os acionistas minoritários são as grandes vítimas. No 2º trimestre de 2015, o lucro operacional foi de R$ 9,48 bilhões, mas o lucro líquido que refletirá nos dividendos foi de R$ 531 milhões. No seu estágio de purgatório, deduziu do resultado R$ 2,8 bilhões para quitar parcelas atrasadas do IOF, questionadas na Justiça.

PRE-SAL
– A Petrobrás pagou R$ 1,4 bilhão à Receita Federal de impostos atrasados e optou pela baixa contábil de ativos de R$ 1,2 bilhão. Resultado: o lucro líquido foi 89% menor em relação ao mesmo período do ano passado. A organização administrativa e financeira da empresa passa por essa etapa dramática, onde os brasileiros são os grandes perdedores.

4 – Dona de reservas comprovadas superiores a 12 bilhões de barris, acima da média internacional, a Petrobrás foca investimentos na produção e elevação da extração de petróleo e gás. O pós-sal e o pré-sal serão o “filet mignon” na sua lenta recuperação. Felizmente a evolução dessa produção vem ocorrendo em nível ascendente.

FORTUNE
– Fato relevante: a revista norte americana “Fortune”,especializada em economia, acaba de publicar o “ranking” mundial das 500 maiores empresas do mundo. A Petrobrás ocupa o 28º lugar, definida como a maior empresa da América Latina, dona de ativos de US$ 300 bilhões.

– E a “Fortune” ressalta que suas cicatrizes vão demorar algum tempo para sarar. Projetando os números da “Fortune” em perspectiva de futuro, sem interferência política, sem empecilhos burocráticos, sem investimentos irresponsáveis e sem roubos partidários, a empresa poderá se reencontrar com a sua história, voltando a ser orgulho dos brasileiros.

Para isso é fundamental fazer do cumprimento das Leis Anticorrupção e de Improbidade Administrativa dogmas intocáveis. O país põe nas mãos da Operação Lava-Jato, do juiz Sergio Moro e do Supremo Tribunal a certeza de que o PT não conseguiu o naufrágio da Petrobras.

Nenhum comentário: