quarta-feira, outubro 07, 2015

A gente somos inútil

Fernando Canzian
Folha de São Paulo

Somos incompetentes de forma recorrente na gestão de um país de 200 milhões de habitantes, pobre e repleto de carências. A história recente mostra, e não importa o partido, que o Brasil não consegue fazer a coisa certa de forma ordenada e racional durante muito tempo.

A crise atual (Dilma) é muito semelhante à vivida em 1998/1999 (FHC) e em 2002/2003 (FHC+Lula). Trata-se do mesmo cenário de explosão da dívida pública, do dólar em alta e da inflação renitente. De estelionato eleitoral descarado seguido, no pós eleição, de arrocho, alta de tarifas e tentativa de subir impostos.

Pode-se argumentar que atual crise é diferente porque Dilma está enfraquecida, não tem apoio no Congresso e a Lava Jato está na rua.

Mas a Lava Jato afetaria a presidente só marginalmente se sua economia estivesse arrumada, crescendo e distribuindo renda. Não lhe faltaria, se fosse popular, apoio político para tocar o país.

Os ajustes feitos por FHC e Lula em suas crises foram relativamente rápidos. Mas tivemos, para isso, a supervisão externa do FMI, que exigiu medidas ortodoxas e rápidas para emprestar bilhões de dólares ao Brasil.

Seguimos a receita do Fundo e as coisas voltaram a funcionar. O progresso dos anos Lula comprova isso.

Agora é diferente. Não temos o FMI para nos tutelar e forçar um ajuste. Pois nossas contas externas estão relativamente em ordem e melhorando. Temos também US$ 370 bilhões em reservas.

Exclusivamente por nossa conta, estamos há quase um ano da eleição de Dilma e não conseguimos fazer sequer um ajuste mínimo.

###

PS – Vale muito a pena rever nas crises de 1998/1999 e de 2002/2003. É tudo igual: pacotes, dólar a R$ 4,00, CPMF e queda do PIB. Não aprendemos nada.

Nenhum comentário: