domingo, outubro 11, 2015

As reuniões de Lula, advogados e policiais federais para tentar abafar a Lava Jato

Alana Rizzo com Thiago Bronzatto
Revista  ÉPOCA

O ex-ministro Márcio Thomaz Bastos, um ex-delegado influente na PF e Lula tiveram encontros no hospital Sírio-Libanês. E lá se traçaram novas estratégias contra a investigação e para proteger a Odebrecht – essa é uma das ações que estão na mira da Polícia Federal

Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, um dos mais modernos do Brasil, é o preferido dos poderosos da República. Trata-se de um ambiente perfeito para os políticos: agentes de inteligência da Polícia Federal (PF) dizem que não podem instalar escutas ambientais ali, para não interferir nos sofisticados equipamentos médicos. Em meados de novembro do ano passado, nesse cenário asséptico, personagens-chave com envolvimento na Lava Jato discutiram os rumos da maior operação de combate à corrupção no país. Segundo fontes com conhecimento das reuniões secretas, que toparam falar a ÉPOCA nas últimas semanas, desde que permanecessem no anonimato,  as conversas destinavam-se a encontrar uma estratégia que melasse a Lava Jato.

(Foto: Bruno Poletti/Folhapress) 
AMIZADE
O ex-presidente Lula e o ex-ministro Márcio Thomaz Bastos.
 Foi Bastos quem socorreu Lula durante o mensalão 

O ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos ocupava uma das unidades de internação do Sírio naquela semana, desde o dia 13 de novembro. Bastos era o responsável pela defesa da Odebrecht e da Camargo Corrêa. Despachava do hospital, ignorando orientações médicas e pedidos da família. Apesar do estado de saúde debilitado, ele monitorava, desenhava as estratégias e repassava a sua equipe e a outros advogados envolvidos na operação as tarefas da defesa. Naquela semana, além das visitas dos advogados, Bastos se encontrou com o ex-delegado da Polícia Federal Jaber Makul Hanna Saadi, que também estava internado no Sírio-Libanês, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Àquela altura, a Lava Jato estava na sétima fase, a do Juízo Final. No dia 14 de novembro, levara para a cadeia o ex-¬diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, empresários poderosos – e, também, recolhera documentos nas sedes de grandes empreiteiras do país.

O delegado aposentado Jaber chefiou por cinco anos a Superintendência da Polícia Federal no Paraná, a unidade que deflagrou a Lava Jato. Ocupou também a Superintendência da PF em São Paulo. Jaber e Bastos eram amigos de longa data. Quando deixou a polícia, o delegado passou a colaborar com o escritório de advocacia do ex-ministro. Jaber conhece como poucos a estrutura da PF. Ficou 37 anos na carreira e manteve, mesmo depois da aposentadoria, relações muito próximas com os policiais. Coleciona uma legião de pupilos e uma rede de influência que garante informações sobre operações, relatos internos do órgão e detalhes das constantes brigas de poder.

Desde o início da operação, a defesa das empreiteiras buscava falhas na condução das investigações pela Polícia Federal – e preparava ataques por meio dessas informações. Jaber era um importante aliado para mapear e localizar possíveis colaboradores. São os chamados “dissidentes”, mencionados por Marcelo Odebrecht, presidente do grupo empresarial, dias após esse encontro no Sírio em uma das anotações de seu celular, apreendido pela PF.

Lula esteve no Sírio duas vezes e foi posto a par da estratégia 
de defesa de Bastos para a Odebrecht


No mesmo período em que Jaber e Bastos estavam internados e se encontraram no Sírio, Lula também discutiu com seu ex-ministro o andamento da Lava Jato. Lula esteve no hospital duas vezes naqueles dias: em 15 de novembro, para fazer um checkup, e em 18 do mesmo mês, para visitar Bastos. Lula e Bastos tinham uma longa relação. Bastos fora advogado de Lula e seu ministro da Justiça. Fora Bastos, ainda como titular da Justiça, quem havia socorrido Lula em 2005, construindo a narrativa de que o mensalão fora um mero desvio de caixa dois para campanhas. Bastos morreu dois dias depois do encontro com Lula. Mas deixou instruções precisas para sua equipe.

Lula e Bastos estavam preocupados com os rumos da operação. Embora a Odebrecht ainda não tivesse sido alvo da operação, era sabido que era apenas uma questão de tempo. Ali do quarto do Sírio-¬Libanês estavam sendo traçadas as estratégias de defesa da empreiteira. E Lula foi colocado a par delas, segundo as fontes.

Não se sabem maiores detalhes das conversas nos encontros narrados. Mas as reuniões foram confirmadas pelo advogado José Diogo Bastos, sobrinho de Márcio Thomaz Bastos, e pelo advogado Augusto Botelho. “Estava com o Márcio na visita do ex-presidente Lula e foram conversas apenas de amenidades. Com relação ao Jaber, eles eram amigos há muito tempo e ele também estava internado”, afirmou José Diogo. O ex-delegado Jaber confirma que esteve internado e que, nesse período, se encontrava com Bastos no Sírio-Libanês. Diz ainda que, apesar de trabalhar com Bastos por muitos anos, não tratava com ele assuntos da PF. Por contato telefônico, o Instituto Lula afirma que o ex-presidente esteve com Márcio Thomaz Bastos “no dia 18 e, muito provavelmente, no dia 15 também”. O Instituto não esclareceu o teor das conversas. Em nota, a Odebrecht afirma que “desconhece o teor das investigações” e que “reforça a sua confiança no trabalho ético e qualificado dos seus assessores legais”.

(Fotos: Guilherme Lara Campos/Futura Press e reprodução)
 CONEXÃO
O ex-delegado Jaber Saadi (acima). Ele podia mapear os “dissidentes” 
citados por Marcelo Odebrecht em suas anotações 


OS DISSIDENTES
Em junho deste ano, a Lava Jato chegou a sua 14ª fase. Nela, foram presos os executivos de algumas das maiores empreiteiras do país, inclusive Marcelo Odebrecht. Seus computadores e celulares foram apreendidos. Analisando esse material, a PF descobriu que Marcelo Odebrecht fazia anotações detalhadas de seus compromissos e das ideias que tinha para proteger sua empresa das investigações. Em uma delas, Marcelo Odebrecht diz: “Trabalhar para parar/anular (dissidentes PF...)”. O juiz Sergio Moro considerou o trecho perturbador. A anotação foi feita no mesmo intervalo de tempo dos encontros no Sírio-Libanês entre Bastos, Lula e Jaber.

Os encontros do Sírio-Libanês são peças de um quebra-cabeça que ainda está sendo montado pela PF. Um inquérito da Corregedoria da Polícia Federal, que tramita sob segredo de Justiça na 14ª Vara Federal de Curitiba, apura a suspeita de que policiais federais venderam dossiês a um grupo de advogados. Entre eles, como revelou reportagem da Folha de S.Paulo, Augusto Arruda Botelho, do escritório Cavalcanti e Arruda Botelho Advogados. O advogado e sua sócia, Dora Cavalcanti, trabalharam com Bastos durante anos.

Poucos dias depois dos encontros no Sírio, em dezembro do ano passado, um automóvel Honda percorreu os 404 quilômetros entre Curitiba e a capital paulista. Era o carro do delegado da Polícia Federal Paulo Renato Herrera. Ele não estava em missão, tampouco informou seus superiores sobre a viagem a São Paulo. Herrera entrou na polícia em 2002 como agente. Nunca teve uma atuação muito expressiva e, depois de se envolver em um tiroteio, passou por períodos de síndrome do pânico. Acabou escanteado na corporação. Foi em Foz do Iguaçu que conheceu e se aproximou do ex-agente da PF Rodrigo Gnazzo, que mantém uma relação de confiança com Jaber.

Na Lava Jato, Gnazzo e Herrera se uniram, de acordo com as fontes, com um único propósito: fornecer informações para um dossiê com supostas ilegalidades, de modo a invalidar a operação. Ou seja, melar a Lava Jato. Em segundo lugar, queriam obter dados privilegiados da operação, como datas e locais de batidas da PF. Gnazzo trabalhou na área de inteligência e de entorpecentes na Superintendência do Paraná, por muito tempo feudo de Jaber, parceiro de Bastos e um dos pacientes do Sírio naquela semana de novembro. Gnazzo estava insatisfeito com o trabalho na polícia, segundo colegas. Pediu licença do órgão para trabalhar em uma gráfica em Curitiba. De lá, foi para a Secretaria de Segurança Pública do Paraná, durante a passagem do deputado federal Fernando Francischini pela Pasta. Pouco tempo depois pediu exoneração da PF. Ele também é investigado pelo sumiço de dinheiro durante uma apreensão.

O advogado Augusto Botelho se encontrou com policiais federais 
a mando de Márcio Thomaz Bastos


Em informações trocadas com superiores, Gnazzo e Herrera confirmam ter se encontrado com advogados da Lava Jato e citam, inclusive, viagens a São Paulo. Os dois, no entanto, dizem ter desistido de dar prosseguimento ao “serviço”, que havia começado meses antes, a partir de uma ordem do advogado Márcio Thomaz Bastos. O ex-ministro pediu a Botelho que encontrasse os policiais.  De acordo com o relatado a Botelho, eles tinham informações sobre ilegalidades da Lava Jato. Um dos encontros aconteceu num escritório de advocacia de Curitiba. Contou com a presença do advogado Marden Maues, que defendia a doleira Nelma Kodama. Nelma foi uma das primeiras pessoas a detalhar o assédio de policiais aos advogados e vice-versa.

Dias depois, Maues buscou Botelho no aeroporto de Curitiba. Eles foram a um novo encontro com os policiais, que prometiam apresentar documentos que comprovassem as ditas ilegalidades. A reunião transcorreu num motel da capital paranaense. Na reunião, Gnazzo e Herrera apresentaram papéis com informações sobre ilegalidades da operação: detalhes sobre escutas, interceptações telefônicas e desvio de conduta de colegas. Todos os dados foram repassados, segundo os envolvidos, sem nenhum pagamento. “Reuni-me, a pedido de Márcio Thomaz Bastos e no estrito exercício da minha atuação profissional, com policiais federais. Fato esse, inclusive, já informado por petição à 14ª Vara Federal de Curitiba”, afirma Botelho. Ele nega a compra de “qualquer dossiê, informações sigilosas ou privilegiadas no curso da Operação Lava Jato”. Botelho relata que leu as informações, que se tratava de “brigas internas”, considerou-as irrelevantes e não voltou a encontrar os policiais. Manteve contato apenas com Maues, que tem um escritório a poucas quadras do escritório de Botelho. No entanto, outro encontro do grupo foi realizado em um posto de gasolina também na capital paranaense antes da viagem a São Paulo. Maues confirma os encontros com Gnazzo e Herrera: “Nada de ilegal ou irregular foi objeto desses encontros”.

Botelho deve ser intimado a depor nos próximos dias. A preocupação da Odebrecht é que a investigação do dossiê atinja a empresa. O escritório de Nabor Bulhões, que assumiu recentemente a defesa de Marcelo, vem escanteando Botelho e sua sócia Dora Cavalcanti da defesa da empresa. O caso é monitorado pela cúpula da empresa e tratado com sigilo. Marcelo Odebrecht está preso desde 19 de junho e seu pai, Emilio Odebrecht, passou a temer o impacto negativo das apurações na prisão do filho, que sejam tratadas como tentativa de obstrução da Justiça. Marcelo é investigado por ter passado um bilhete com as anotações de “destruir emails sondas” a seus advogados. O executivo teve seu segundo habeas corpus negado na semana passada. Emilio participou de duas reuniões com o ex-ministro Márcio Thomaz Bastos para articular a estratégia conjunta das empreiteiras para abafar o caso. Alguns desses encontros estão detalhados em material apreendido pela PF e estão sendo analisados com cautela pelos investigadores.

Nenhum comentário: