domingo, outubro 04, 2015

Governo estuda vender participação da Infraero em aeroportos

Veja online
Com informações Estadão Conteúdo

Estatal mantém 49% da fatia de concessões de cinco aeroportos; com a possível transação, essa participação cairia para 25%

(Ricardo Matsukawa/VEJA) 
Meta do governo é realizar essas concessões no primeiro trimestre de 2016, 
com expectativa de atrair R$ 8,5 bilhões em investimentos

O governo avalia a possibilidade de a Infraero vender metade das participações que tem nas concessões dos aeroportos de Brasília (DF), Confins (MG), Galeão (RJ), Guarulhos (SP) e Viracopos (SP). Atualmente, a estatal federal detém uma fatia de 49% em cada uma dessas concessões. Com a venda, a participação cairia para cerca de 25%.

O assunto já é estudado há meses pela Secretaria de Aviação Civil (SAC). Segundo uma fonte que atua diretamente nesses estudos, o corte pela metade seria suficiente para que a Infraero voltasse a ter equilíbrio em suas contas.

A estratégia é defendida pelo ministro da SAC, Eliseu Padilha, mas ainda depende de um sinal positivo da presidente Dilma Rousseff. A expectativa do governo é fechar esse porcentual até o fim deste ano e oferecer as participações da Infraero nos aeroportos já em 2016.

Nos últimos três anos, a Infraero sofreu uma forte redução de receita ao abrir mão dos aeroportos mais rentáveis que controlava. As quatro novas concessões aeroportuárias previstas no Plano de Investimento em Logística - Fortaleza, Salvador, Florianópolis e Porto Alegre - já devem trazer uma participação reduzida da Infraero. O que se avalia é que esta fatia não ultrapasse 15%.

A meta do governo é realizar essas concessões no primeiro trimestre do ano que vem, com expectativa de atrair 8,5 bilhões de reais em investimentos, fora a arrecadação com as outorgas de cada terminal. Na terça-feira, durante audiência pública no Senado, Eliseu Padilha foi alvo de reclamações dos senadores, que criticaram os cortes de investimentos em aeroportos por causa dos ajustes econômicos feitos pelo Ministério da Fazenda.

Padilha disse que o "embate" com o ministro Joaquim Levy não é insuperável e que é possível vencer a "queda de braço" contra a equipe econômica. Ele citou como exemplo as emendas de deputados e senadores. "Nós fomos para uma queda de braço e ganhamos", disse, ao mencionar um total de 500 milhões de reais liberado em agosto para essa finalidade.

Fundo – 
O ministro já chegou a admitir que o Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac), criado para financiar, entre outros projetos, a expansão da aviação regional no país, poderá ser usado pelo governo para atingir as metas do ajuste fiscal. Por lei, se o fundo for utilizado, só pode ser aplicado em projetos aeroportuários. Se não for sacado, porém, engorda o caixa do Tesouro.

Previsto para arrecadar 4,2 bilhões de reais só neste ano, a partir de cobranças de taxas aeroportuárias e das concessões de aeroportos, o Fnac é o meio de o governo viabilizar o prometido programa de aviação regional, que prevê a construção ou reforma de 270 aeroportos no Brasil.

Apesar do tom otimista, Eliseu Padilha reconheceu que o setor aéreo brasileiro vive um momento difícil. "Temos um processo em que as companhias estão desativando rotas, reduzindo voos, porque não têm condição de manter", disse. "Eles não rasgam dinheiro. Se (o trecho) não é superavitário, reduzem", completou.


Nenhum comentário: