terça-feira, outubro 20, 2015

Por que o Brasil teve a nota cortada pela Fitch

João Pedro Caleiro 
EXAME.com 

Matt Lloyd/Bloomberg 
Sede da Fitch Ratings em Londres: agência cortou a nota 
do Brasil para um degrau acima do especulativo

São Paulo - A agência de classificação de risco Fitch Ratings cortou a nota da dívida do Brasil de "BBB" para "BBB-", último nível do grau de investimento.

A nota foi colocada em perspectiva negativa, então um novo corte pode acontecer ao longo do próximo ano.

O movimento vem um mês após a agência Standard & Poor's rebaixar o Brasil para grau especulativo.

Muitos fundos de pensão exigem o grau de investimento de pelo menos duas das três grandes agências para aplicar seus recursos.

A Moody's cortou a nota do Brasil em agosto para um nível acima do especulativo, mas com perspectiva estável.

"A Fitch estava atrasada e não falou nada de novo. De qualquer forma, fica cada vez mais próximo o Brasil perder o grau de investimento por mais uma agência, o que teria efeitos mais severos sobre a economia brasileira, com destaque para os ativos financeiros como Bolsa e dólar", diz Alex Agostini, economista-chefe da Austin Ratings.

A notícia não impactou negativamente o Ibovespa, que chegou a cair 0,21% mas voltou a subir em seguida e opera no azul, com leve alta.

O diagnóstico é que o movimento já estava precificado, No momento, dados fracos dos Estados Unidos fortalecem a aposta de que Federal Reserve vai adiar o aumento dos juros para 2016, o que favorece os emergentes.

Justificativa
"O corte reflete o aumento do fardo da dívida pública, desafios crescentes à consolidação fiscal e uma piora do cenário econômico", diz o comunicado da Fitch.

A agência cita como fatores negativos a queda da receita maior do que o esperado, a diminuição da meta de superávit em 2015 e o envio para o Congresso de um Orçamento para 2016 com déficit.

Ela reconhece que o governo "está trabalhando em certas propostas de taxação e [corte de] gastos para retomar o caminho fiscal", mas o problema é de implementação diante do impasse no Legislativo e a necessidade de um consenso difícil de obter.

"Uma recessão maior do que a esperada com destruição de empregos, a popularidade reduzida da presidente Rousseff, tensões entre o governo e o Congresso, a ampliação do alcance das investigações da Petrobras e o risco de um impeachment estão embaçando o ambiente político e criando desafios de governabilidade e incerteza de políticas", diz o texto.

Em São Paulo nesta quinta-feira antes do anúncio da decisão, o diretor-executivo da Fitch no Brasil, Rafael Guedes, disse que o impeachment não é cenário-base e que "sempre é negativo para rating pois traz instabilidade política e econômica".

A projeção da Fitch é de uma queda do PIB de 3% em 2015 e 1% em 2016 com déficit zero em 2016 e superávit de 0,5% em 2016.

Isso leva a um aumento da dívida para 70% do PIB já no ano que vem, acima da mediana de 43% de outros países com mesmo nível de rating.

Do lado positivo, que justifica a nota atual, a Fitch cita o ajuste em curso do déficit em conta corrente, a diversidade econômica e instituições fortes da sociedade civil, assim como a capacidade de absorver choques por meio de grandes reservas internacionais, mercado de capital desenvolvido e câmbio flutuante.

Nenhum comentário: