domingo, novembro 08, 2015

10 provas de que estradas do Brasil põem sua vida em risco

Talita Abrantes
EXAME.com

Divulgação/Confederação Nacional do Transporte 
Trecho da BR-158 no município de Santa Maria das Barreiras (PA)

Péssimas e perigosas

São Paulo – Andar pelas estradas que cortam o Brasil pode se tornar uma missão arriscada e de elevado custo. Em péssimo estado de conservação, a maior parte das rodovias brasileiras apresentam trechos extremamente perigosos.

De acordo com estudo da Confederação Nacional de Transporte (CNT) sobre o assunto, divulgado nesta quarta-feira, falta de tudo na malha rodoviária nacional.

A começar pela pavimentação. Na maior parte do Brasil, estrada asfaltada é a exceção: apenas 12% dos trechos possuem pavimento.

E mesmo entre as rodovias pavimentadas, a situação não é das melhores.

Segundo o estudo, 86,5% das estradas avaliadas são vias simples de mão dupla.

Mais: em quase 40% delas não há qualquer sinal de acostamento. Em alguns casos, até as faixas da estrada não são tão visíveis e a sinalização, inadequada.

A combinação de vias simples de mão dupla com falta de sinalização e acostamento pode ser fatal. No ano passado, as estradas do Brasil foram palco para cerca de 170 mil acidentes, com mais de 8 mil vítimas fatais, que geraram custos de 12,3 bilhões de reais.

Investimento 
A CNT estima que, para solucionar todos os problemas da malha rodoviária nacional, seriam necessários investimentos da ordem dos 293,88 bilhões de reais em 618 projetos de infraestrutura. Por ano, segundo o estudo, o Brasil perde 46,8 bilhões de reais com às deficiências das estradas.

“Somando com os custos dos acidentes, o país tem 59 bilhões de reais em prejuízo anual. Se fossem investidos os recursos necessários, essa conta se pagaria em cinco anos”, afirmou Bruno Batista, diretor-executivo da Confederação Nacional de Transporte (CNT), durante encontro com a imprensa para divulgar os resultados.

De acordo com o estudo, no ano passado, o governo investiu o equivalente a 165 mil reais por cada quilômetro das rodovias federais. Já as concessionárias destinaram mais do dobro nas estradas por elas gerenciadas.

O resultado da diferença de investimentos é patente: do total de rodovias concedidas, 78,3% da extensão foi avaliada de maneira satisfatória. Entre as estradas geridas pelos governos federal ou estadual, 65,9% apresentam alguma deficiência. 

Veja, a seguir, um retrato (desolador) da condição das rodovias brasileiras 


·         1.720.607 km é o total de quilômetros de rodovias existentes hoje no Brasil;

·         Apenas 12,4% das rodovias são pavimentadas. Isso significa que mais de 1,3 milhão de quilômetros de estradas no Brasil são de terra;

·         Quase metade dos trechos pavimentados apresentou alguma deficiência no pavimento;

·         86,5% das rodovias do Brasil analisadas pelo estudo são de via simples de mão dupla;

·         39,6% das estradas avaliadas não possuem sequer acostamento;

·         Em 42,1% das curvas perigosas, não há placas de advertência e nem defensas completas;

·         57,3% das estradas brasileiras foram avaliadas como regulares, ruins ou péssimas. Apenas 42,7% tiveram uma classificação positiva;

·         R$ 293,88 bi é o quanto o Brasil precisa para solucionar os problemas da malha rodoviária nacional;

·         R$ 9,05 bilhões é o quanto o Brasil irá investir em rodovias em 2015;

·         121° é a posição do Brasil em ranking de 140 países  em qualidade  de rodovias pelo mundo do Fórum Econômico Mundial.


Nenhum comentário: