quinta-feira, novembro 26, 2015

André Esteves pagou propina a Collor, diz Cerveró, novo delator da Lava Jato

Laryssa Borges
Veja online

Ex-diretor da área internacional da Petrobras firmou acordo de delação premiada com os procuradores da Lava Jato no último dia 18

 (Reprodução/VEJA)
 Momento da prisão do banqueiro André Esteves,
 dono do BTG Pactual, nesta quarta-feira 

Novo delator da Operação Lava Jato, o ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró disse, em acordo de colaboração premiada, que o banqueiro André Esteves, dono do BTG Pactual, pagou propina ao senador Fernando Collor (PTB-AL) em um contrato de embandeiramento de 120 postos de combustíveis em São Paulo. Os postos pertenciam conjuntamente ao BTG e ao Grupo Santiago. A descrição de trecho da delação de Cerveró foi anexada em despacho do ministro Teori Zavascki sobre os pedidos de prisão do senador Delcídio Amaral (PT-MS), do advogado Edson Ribeiro, do chefe de gabinete Diogo Ferreira e do próprio banqueiro André Esteves.

"Nestor Cerveró descreve a prática de crime de corrupção ativa por André Esteves, por meio do Banco BTG Pactual, consistente no pagamento de vantagem indevida ao Senador Fernando Collor, no âmbito de contrato de embandeiramento de 120 postos de combustíveis em São Paulo, que pertenciam conjuntamente ao Banco BTG Pactual e a grupo empresarial denominado Grupo Santiago", diz trecho de um documento da procuradoria-geral da República. Na delação, o ex-dirigente também narra que o senador Delcídio recebeu propina tanto na aquisição de sondas pela Petrobras quanto na compra da refinaria de Pasadena, no Texas, nos Estados Unidos.

O nome do banqueiro André Esteves apareceu nas investigações da Operação Lava Jato a partir de um depoimento do doleiro Alberto Youssef, um dos principais delatores do petrolão. A exemplo de Cerveró, Youssef disse às autoridades que recebeu a informação de que a compra da rede de postos de gasolina Derivados do Brasil (DVBR) teria sido consolidada após pagamento de propina a operadores da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras. A transação teria contado com atuação direta de Pedro Paulo Leoni Ramos, o PP, ex-ministro do governo Fernando Collor.

Possíveis referências a Esteves também haviam aparecido em um bilhete do empreiteiro Marcelo Odebrecht apreendido na carceragem da Polícia Federal em Curitiba. Num trecho do texto, Odebrecht diz a seus defensores: "Destruir email sondas". Para os investigadores, o bilhete poderia representar uma ordem para a destruição de provas. Essa ordem seria motivo para que Odebrecht tivesse sua prisão estendida - pois seria uma tentativa de obstruir a investigação. Para os advogados do empresário, o uso de destruir era metafórico: Odebrecht apenas os orientava a desconstruir a acusação de ter superfaturado contratos com a Petrobras.

No mesmo bilhete aos advogados, Marcelo Odebrecht anota: "história de iniciativa André Esteves. Lembrar que naquela época sete Petrobras off balance, portanto ajudar Sete era visto como ajudar Petrobras". A Sete citada pelo empreiteiro é a Sete Brasil, empresa criada para construir sondas para exploração do petróleo do pré-sal e enrolada nas investigações da Lava Jato.

Nenhum comentário: