terça-feira, novembro 17, 2015

Confiança do brasileiro atingiu mínima histórica em outubro

Exame.com
Thales Schmidt, Estadão Conteúdo

Ciaran Griffin/Thinkstock 
Homem segura compras: a confiança do brasileiro caiu pela metade 
em um ano, já que estava em 148 pontos em outubro de 2014

São Paulo - O índice nacional de confiança da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) atingiu 74 pontos em outubro, o valor mais baixo já registrado desde o início da pesquisa, em abril de 2005.

Trata-se da quinta mínima histórica consecutiva. Em janeiro, o índice marcava 137 pontos. Valores entre 100 e 200 pontos apontam otimismo, já o intervalo de 0 a 100 indica pessimismo.

A confiança do brasileiro caiu pela metade em um ano, já que estava em 148 pontos em outubro de 2014. Na comparação entre outubro e setembro de 2015, a queda foi de cinco pontos.

"A raiz do problema está na área política, que não consegue resolver a questão fiscal, piorando o cenário macroeconômico e afastando investimentos. Por isso, é cada vez mais urgente que todos se unam para encontrar um caminho de saída para a crise", diz o presidente da ACSP, Alencar Burti, por meio de nota divulgada à imprensa.

A região Sul apresentou a menor taxa de confiança em outubro, com 55 pontos. Na sequência aparecem Sudeste (75) e as regiões Norte/Centro-Oeste e Nordeste empatadas (79).

A classe A/B registrou o maior índice de pessimismo, com 64 pontos, seguida das classes C (73) e D/E (83).

De acordo com o levantamento de outubro, 54% dos brasileiros avaliam como ruim sua situação financeira atual. No mesmo mês de 2014, 30% dos entrevistados consideravam sua situação financeira ruim.

A pesquisa foi elaborada pelo Instituto Ipsos entre os dias 15 e 29 de outubro. Foram 1.200 entrevistas domiciliares em 72 municípios.

****** COMENTANDO A NOTÍCIA:

Nota interessante no blog Giba Um:

Fim de ano
Lula está pensando duas vezes, nesses tempos, para falar de mais crédito aos brasileiros: todas as informações que tem sobre números de final de ano são mais que desanimadoras. A inadimplência atingirá níveis recordistas; 13º será usado para pagar parte de dívidas; o comércio prevê um período natalino com queda de até 15% nas vendas; e a inflação poderá ser de mais de 11% .

Nenhum comentário: