terça-feira, novembro 03, 2015

Falta um rei ao Brasil

Sebastião Nery
Tribuna da Internet


MADRID – A história tem fila. O marechal Franco morreu em 20 de novembro de 1975, depois de longa agonia. (“Francisco Franco Caudilho de Espanha Por la Gracia de Dios” e la desgracia de los hombres…).  Logo no dia 22, o príncipe Juan Carlos (nasceu em Roma em 1938, neto de Afonso XIII) foi proclamado Rei da Espanha (37 anos) e iniciou a brilhante operação política da abertura, anunciando uma Monarquia democrática. O Rei surpreende a Espanha, e o mundo, convoca uma Constituinte, e chama o jovem Adolfo Suarez, 44 anos, para Presidente.

Começava a grande lição da Espanha. E eu aqui na sala de aula.

O GOLPE
Aquela Constituinte era uma lição para o mundo. Depois de 41 anos de ditadura, a Espanha entregava o pais à competência determinação e sabedoria de três jovens : o rei Juan Carlos, 39 anos; o chefe do governo Adolfo Suarez, 45 anos; e Felipe Gonzalez o líder da oposição, 35 anos. Os três construíram a nova Espanha. Mas não foi fácil.

Em 1981, o tenente coronel Tejero, à frente de um pelotão do Exército, invadiu o Parlamento, todos de metralhadora na mão. Os deputados esconderam-se atrás de suas bancadas. Um só, desafiador, ficou de pé e mandou o tenente-coronel respeitar o Parlamento. Era Adolfo Suarez, já então apenas um deputado.

O rei, general e brigadeiro, chefe das Forças Armadas, pôs a farda de gala, foi ao ministério do Exercito e exigiu que Tejero e seu grupo fossem imediatamente presos. Foram e o golpe acabou.

FELIPE
No dia 6 de setembro de 1988, como fazia toda terça-feira, o carro do chefe do governo, Felipe Gonzalez, parou às 10 da manhã na porta do Palácio Zarzuela. Sobe ao 1º andar e entra no gabinete do rei:

– Senhor, quero aproveitar este primeiro encontro depois do verão para comentar uma coisa em que tenho pensado muito. Não é nenhuma comunicação oficial. Simplesmente o resultado de uma reflexão.

O rei tomou um susto: – O que é que há?

– Senhor, há quase 6 anos sou presidente do governo e me faltam dois de legislatura. Creio que 8 anos são um período suficiente e estou pensando na conveniência de não me apresentar para as eleições de 1990.

– Não continue. Peço-te que pense mais sobre isso e voltaremos a falar mais adiante.

– Desculpe que insista. Quero dizer-lhe que não desejo falar sobre o assunto. Nem agora nem nunca. Só queria que soubesse que há esta possibilidade e, em minha maneira de ser e de entender o jogo político, não quero que algum dia o senhor se surpreenda quando vier ao palácio entregar minha carta de demissão.

– Quero dizer-te não. É impossível. O país neste momento não pode prescindir de tua pessoa. A democracia e o senso de responsabilidade histórica estão acima do teu desejo de ir embora. Tens que continuar conduzindo o país.

Continuou, disputou e ganhou ainda as eleições de 90 e só saiu em 94 quando não disputou mais e o Partido Popular de José Maria Aznar venceu o partido Socialista, já liderado por outro.

Durante muito tempo se disse em Madri que a Espanha tinha um rei e um vice-rei. O vice-rei era Felipe, o ex Isidoro cabeludo.

Com comícios, eleições, o povo na rua, governo eleito, o jornal “El Pais” nascendo, a revista “Cambio 16” circulando livre, a Espanha de 1977 já era bem outra, muito diferente da Espanha fascista, que eu tinha conhecido antes, com Franco e o franquismo ainda vivos, em 1963 e 73.

A BRUXA
No Brasil é terrível constatar nossa desvalida República. Estamos precisando de um rei que como Juan Carlos da Espanha tivesse autoridade, respeitabilidade e assumisse o comando político na hora em que o país entrasse em perigo com sua unidade nacional abalada.

O espetáculo dantesco que o Congresso Nacional está dando todos os dias, abrindo as entranhas com divisões de interesses baratos e cada um buscando um naco de poder pode levar o pais a um impasse. É assim que as nações se esfarelam, se dissolvem.

Se tivéssemos uma presidente da República que não pensasse só em comprar a sua permanência no poder tudo seria mais fácil. Como estamos, em determinado instante alguma esfera legal do poder, (o Legislativo, o Judiciário) vão ter que interferir. Quem não tem rei caça com gato.

É inacreditável como uma Nação leva uma rasteira de uma Presidente. Imaginávamos que Dona Dilma, eleita, aplicaria seus talentos públicos para construir um país sólido e sereno. Como em uma história de carochinha, ela abriu a panela e passou a fazer maldades. Para quê? Ate agora para nada.

Estamos assim sem Rei, sem Rainha, nas mãos de uma bruxa.

Nenhum comentário: