domingo, novembro 22, 2015

IPCA-15 em 12 meses atinge o maior nível desde 2003: 10,28%

Da redação
Veja online

Em novembro, prévia da inflação subiu 0,85%, puxada, sobretudo, por alta no preço dos combustíveis, diz IBGE

(Ricardo Matsukawa/VEJA)
 Aumento da gasolina nas bombas pressionou prévia da inflação em novembro 

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial, subiu 0,85% em novembro, sobre alta de 0,66% no mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 12 meses até novembro, o índice acumulou alta de 10,28%. "Desde novembro de 2003, com os 12 meses em 12,69%, não havia registro de taxa mais elevada", disse o instituto.

Pesquisa da Reuters com economistas estimava alta de 0,83% em novembro sobre outubro e de 10,26% em 12 meses. Nos 11 meses do ano, o índice também acumula alta 9,42% o maior resultado para o período em toda a série do IPCA-15, iniciada em maio de 2000.

Segundo o IBGE, os combustíveis foram o principal destaque de alta neste mês, subindo 5,89% no mês e puxando a inflação dos transportes a 1,45%. O item foi responsável por 35% do IPCA-15 de novembro. "O aumento da gasolina nas bombas, que acumula 6,48% nos meses de outubro e novembro, foi consequência dos 6% praticados ao nível das refinarias, reajuste em vigor desde o dia 30 de setembro", diz nota do instituto. Ainda no setor transportes, também puxaram o índice as tarifas dos ônibus urbanos, com alta de 0,76%.

O grupo alimentos e bebidas também pressionaram o IPCA-15 no mês, com alta de 1,05% - acima da taxa de 0,62% do mês anterior. Entre os produtos, destacam-se a alta nos preços do tomate (15,23%), açúcar cristal (9,61%) e refinado (7,94%), arroz (4,10%), frango inteiro (3,96%), cerveja (3,35%), óleo de soja (2,84%), frutas (2,14%), carne (1,71%) e pão francês (1,03%).

Por região, o maior índice foi o de Fortaleza (1,18%), influenciado pela alta de quase 3% no transporte urbano. Já menor índice foi o da região metropolitana de Porto Alegre (0,68%).

Nenhum comentário: