quinta-feira, novembro 19, 2015

JEITINHO PETISTA:PIB fica maior em 2012 e 2013 após “revisão” dos cálculos

Bruno Villas Bôas
Folha de São Paulo

Tony Gentile - 9.ago.2011/Reuters
Pessoa observado um gráfico de queda;
PIB (Produto Interno Bruto), medida da produção de bens e serviços do país, 
confirmou no dia 28 de agosto que a economia brasileira está em recessão,
 com uma queda de 1,9% no 2º trimestre.  

O Produto Interno Bruto (PIB), medida da produção de bens e serviços do país, cresceu mais do que o originalmente estimado em 2012 e 2013, informou o IBGE nesta terça (17).

O resultado de 2012 passou de 1,8% no dado original para 1,9% para o resultado definitivo. O PIB somou assim R$ 4,806 trilhões naquele ano, puxado por um crescimento de 3,5% do consumo das famílias.

Já o dado de 2013 mudou de 2,7% para 3% no dado definitivo. O PIB somou assim R$ 5,316 trilhões em 2013. Os investimentos cresceram 5,8% no país naquele ano, segundo o IBGE.

O cálculo definitivo do PIB incorpora novas pesquisas anuais do IBGE e também uma base de dados mais detalhada sobre gastos e investimentos no país. É o caso das despesas dos governos e das famílias.

Os dados mostram um Brasil que ainda crescia, puxado pelo consumo das famílias –efeito da renda, da oferta de crédito– e pelos investimentos. Em 2015, a economia sofre com a contração de ambos indicadores.


REVISÃO DO PIB
Variação em volume, em %
Ano
Série antiga
Série nova
2013
2,7
3,0
2012
1,8
1,9
Fonte: IBGE 


RESULTADOS
Por dentro do resultado do PIB de 2012, o resultado do setor de serviços foi revisado de 2,4% para 2,9%. Os investimentos foram revistos de uma queda de 0,6% para uma alta de 0,8%, segundo dos dados divulgados pelo IBGE.

O consumo do governo, no entanto, ficou menor. O crescimento havia sido de 3,2% na divulgação original e passou para 2,3% no resultado definitivo divulgado nesta terça-feira pelo instituto.

Segundo o IBGE, a variação dos gastos do governo, por exemplo, ocorreu porque da divulgação original para agora foram divulgados dados mais precisos sobre os gastos e investimentos dos governos federal, estadual e municipal.

Em 2013, os investimentos foram o motor do PIB, mesmo após a revisão dos dados. Os investimentos, medido pela Formação Bruta de Capital Fixo, passou de 6,1% para 5,8% pela taxa revisada.

O consumo das famílias, por outro lado, ficou ainda maior após a revisão: de 2,9% para 3,6%, segundo os dados do IBGE. O consumo das famílias no PIB foi de R$ 3,2 bilhões, segundo os dados do IBGE.

METODOLOGIA
Em março deste ano, o IBGE já havia divulgado os dados definitivos do PIB referentes ao período de 2001 a 2011. A tendência foi a mesma, de resultados mais positivos para a economia brasileira no período.

Nos dados de 2001 a 2011, porém, os resultados foram influenciados também pela revisão da recomendação de metodologia da ONU (Organização das Nações Unidas) para o cálculo do PIB, de 2008.

No caso do PIB de 2012 e 2013, divulgado nesta terça-feira, os números originalmente divulgados já consideravam a nova metodologia.

Um das mudanças da metodologia recomendada pela ONU envolve a forma como se classifica despesas e investimentos. Os gastos com equipamentos militares pelo governo, por exemplo, passou a ser considerado um investimento.

O mesmo vale para a pesquisa e desenvolvimento de um novo remédio pelo governo. Na metodologia antiga, era classificado como um gasto do governo. Agora, é visto como investimento.

Já a aquisição de softwares, por exemplo, era visto como um gasto intermediário e descontando do cálculo do PIB. 

******* COMENTANDO A NOTÍCIA:

Não somos contra a que se mudem critérios estatísticos para melhor espelhar a realidade econômica e social do país. Porém, que ao menos tivessem a decência de aplicar as mudanças a toda série histórica para não provocar distorções comparativas.

Porém, os governos Lula e Dilma têm cometido a intragável rotina da vigarice para mudar critérios apenas para melhorar a própria fotografia. Sempre que o resultado  do PIB é ruim, lá vem uma mudança no cálculo do PIB. Lula provocou duas mudanças, assim como Dilma. Tudo para colorir melhor o auto-retrato. Depois, os larápios querem comparar com os governos passados, esquecendo que seus resultados foram maquiados e os de governos  passados não. São uns pulhas!!!!


Nenhum comentário: