quinta-feira, novembro 05, 2015

José Dirceu virou alvo de investigação no Peru

Josias de Souza


Condenado no escândalo do mensalão e reencarcerado por se envolver no petrolão, José Dirceu está prestes a adicionar um parágrafo internacional ao seu prontuário. Em notícia veiculada no diário Zero Hora, o repórter Humberto Trezzi informa que o ex-ministro de Lula está sob investigação da Fiscalía Especializada Anticorrupción do Peru, órgão análogo ao Ministério Público Federal brasileiro.

Apura-se a suspeita de que Dirceu atuou como lobista de empreiteiras brasileiras no Peru. Em troca de contratos de obras, teria repassado dinheiro a integrantes do governo do ex-presidente Alan García (2006-2011). Investiga-se também a hipótese de o esquema ter se mantido no atual governo do Peru, chefiado por Ollanta Humala.

Dirceu viajou cinco vezes ao Peru entre 2007 e 2011. Em pelo menos uma oportunidade, em 23 de janeiro de 2007, foi recebido na sede do governo pelo então presidente Alan García. Atuava à época como preposto das empreiteiras Engevix e OAS, ambas enroladas na Lava Jato.

A JD Consultoria, empresa de Dirceu, fez repasses periódicos de dinheiro para uma brasileira residente no Peru. Chama-se Zaida Sisson. É mulher de Rodolfo Beltrán Bravo, ministro da Agricultura do Peru na gestão de Alan García. Entre 16 de janeiro de 2009 e 16 de novembro de 2011, Zaida recebeu da JD 20 transferências bancárias. Juntas, somam o equivalente a R$ 364.398.

Em depoimento prestado à força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba, o lobista e delator premiado Milton Pascowitch disse que Zaida trabalhava para Dirceu. Sua atribuição era farejar contratos para as construtoras Engevix e Galvão Engenharia no Peru. As afirmações do delator eletrificaram a cena política no Peru.

Na condição de representante da consultoria de Dirceu, Zaida esteve cinco vezes no palácio presidencial do Peru entre junho de 2007 e julho de 2008. Era recebida ora pelo presidente Alan García ora pela secretária pessoal dele, Mirtha Cunza. Indagado no Congresso sobre os vínculos com Dirceu, García disse não ser recordar de sua agenda. Mas a imprensa peruana divulgou fotos do ex-presidente na companhia de Dirceu.

Num comunicado distribuído em agosto passado na cidade de Lima, Zaida Sisson negou ter participado de atos ilícitos em favor de empreiteiras brasileiras. Alegou que seu trabalho era identificar oportunidades para as companhias no Peru. Não negou que conhece Dirceu. Mas anotou: “Não é certo que tenha sido braço ou operadora de Dirceu. Atuei sempre com a devida ética''.

Ouvido, o advogado de Dirceu, Roberto Podval, afirmou: “José Dirceu esteve várias vezes no Peru e intermediou, sim, contatos das empresas brasileiras por lá. Foi tudo filmado, a imprensa divulgou. Ele conhece, sim, a Zaida Sisson, ela trabalhou com ele. Qual o problema? Até onde vi, não tem crime algum, foi um serviço normal de abertura de mercado''.

Nenhum comentário: