quarta-feira, dezembro 02, 2015

As diárias de Stédile (ou sustentando bandido vagabundo)

Marcelo Rocha
Revista ISTOÉ

Enquanto o MST promovia invasões pelo País provocando danos ao patrimônio público, o governo bancava estadias do líder do movimento com dinheiro do contribuinte

Ao longo deste ano, o MST intensificou sua agenda de protestos por todo o País. O principal alvo de críticas foi a política de ajuste fiscal do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Em Brasília, foram ao menos cinco manifestações. Os integrantes do movimento invadiram prédios públicos como as sedes da pasta comandada por Levy, do Ministério da Agricultura e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Em alguns casos, houve danos ao patrimônio público. Mesmo assim, de forma inacreditável, o governo federal bancou este ano diárias para que o principal líder do movimento, João Pedro Stédile, participasse de cursos, palestras e ministrasse aulas inaugurais em instituições de ensino federais sobre temas ligadas à terra.


SEM TERRA, COM DIÁRIA 
Na era petista, João Pedro Stédile
 recebeu ao menos 30 diárias do governo

As despesas apareceram registradas em nome de órgãos como o Ministério do Desenvolvimento Agrário ou Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Estão lá também a Secretaria Geral da Presidência da República e universidades federais. Apenas no Portal da Transparência do governo federal há registros de 30 diárias pagas ao líder Sem Terra. Os valores superam R$ 10 mil. A contabilidade oficial mostra, entre outros exemplos, que o líder dos Sem-Terra recebeu em março deste ano o valor equivalente a uma diária para participar de uma entrevista em Brasília para um programa da EBC, canal de TV estatal. No mesmo mês, no chamado Dia Nacional de Lutas, o MST se uniu a outros movimentos sociais para criticar o ajuste fiscal anunciado por Dilma. Na mobilização o grupo também participou de ato em defesa da Petrobras e do mandato da presidente da República.


Em abril do ano passado, além de passagens, Stédile recebeu diárias para fazer um curso de extensão História dos Movimentos Sociais do Brasil e participar do Encontro com Movimentos Sociais no Rio de Janeiro, parte de um programa de educação e qualificação para a prática de Direitos Humanos. O custo foi patrocinado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Meses antes, em janeiro, o líder do MST também recebeu verba federal para viajar a Laranjeiras do Sul, no Paraná, para assistir à aula inaugural do curso interdisciplinar em Educação no Campo. A despesa foi bancada pela Universidade Federal da Fronteira do Sul (Unila). 

Nenhum comentário: