quarta-feira, dezembro 02, 2015

Cana, café e laranja prejudicam PIB Agropecuário, diz IBGE

Exame.com
Daniela Amorim, Idiana Tomazelli, Mariana Durão e Vinicius Neder, Estadão Conteúdo 

Elza Fiúza/Agência Brasil 
Cana-de-açúcar: a estimativa de outubro prevê que o País terá este ano
 uma safra de cana de açúcar 4,2% menor do que a do ano passado

Rio - A queda de 2,0% no PIB da Agropecuária no terceiro trimestre de 2015 ante o mesmo trimestre do ano anterior foi puxada pela expectativa de perdas na lavoura de cana de açúcar, café e laranja, explicou nesta terça-feira, 1º dezembro, Claudia Dionísio, gerente das Contas Nacionais Trimestrais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A estimativa de outubro do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, também apurado pelo IBGE, prevê que o País terá este ano uma safra de cana de açúcar 4,2% menor do que a do ano passado.

A produção de café deve encolher 6,4%, enquanto a de laranja deve diminuir 3,3%.

"A cultura mais importante que a gente destaca aqui é a cana. Só que a cana está com expectativa de queda no ano, e 50% desse resultado da safra do ano a gente está computando já nesse terceiro trimestre", justificou Claudia.

O resultado só não foi pior porque a safra de milho de 2015 deve ser 7,4% maior do que a de 2014. "O milho está amenizando um pouco essa queda da cana", disse.

No caso do café, 40% da estimativa de safra - e consequentemente da perda em relação ao ano anterior - também foi incorporada ao PIB do terceiro trimestre.

"Por último vem a laranja, que pesa menos, mas também está com queda no ano, e 50% da lavoura colhida é no terceiro trimestre", acrescentou.

Revisões
O IBGE atualizou as informações sobre o (PIB) nos dois primeiros trimestres de 2015, sempre na comparação com o mesmo trimestre do ano passado.

A agropecuária teve uma variação positiva com a incorporação de atualizações de dados da safra mais favoráveis, explicou Claudia Dionísio.

A pecuária e extrativa florestal também tiveram resultados melhores. Com isso, o PIB da agropecuária passou de uma alta de 4,0% para 5,4% no primeiro trimestre, ante o mesmo trimestre de 2014. No segundo trimestre ele saiu de alta de 1,8% para alta de 2,2%.

O PIB da indústria, por sua vez, sofreu uma piora, puxada por dados piores na produção e distribuição de serviços de eletricidade, água e esgoto, em que houve uma mudança na contabilização dos insumos para termoelétricas.

O IBGE incorporou dados fechados fornecidos por empresas de saneamento (água e esgoto), antes apenas projetados no cálculo.

A construção civil também passou a incorporar dados mais recentes da Produção Industrial Mensal (PIM), também revisados para baixo.

Diante disso, o instituto revisou o PIB da Indústria do primeiro trimestre de 2015 ante o primeiro trimestre de 2014 de -3,0% para -4,4%.

O dado do segundo trimestre saiu de queda de 5,2% para queda de 5,7%.

O cálculo do PIB de Serviços foi impactado por uma apuração de valores menores do aluguel, após a incorporação dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) mais recente, de 2014.

O IBGE revisou o PIB de Serviços do primeiro trimestre de 2015 de -1,2% para -1,4% na comparação com o primeiro trimestre de 2014. No segundo trimestre, o PIB de serviços saiu de -1,4% para -1,8%, também ante o mesmo trimestre do ano passado.

A despesa do Consumo das Famílias acompanhou o movimento negativo da indústria e do setor de serviços.

No primeiro trimestre a revisão foi de -0,9% para -1,5% ante o mesmo período de 2014.

No segundo trimestre o consumo das famílias passou a registrar um recuo de 3% ante 2,7% anteriormente, também na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior.

"É natural que o consumo das famílias acompanhe o movimento de indústria e serviços", disse Claudia.

O consumo do governo passou de -1,5% para -0,5% no primeiro trimestre após a revisão, em que houve incorporação de dados de despesas de estados e municípios. No segundo trimestre a queda passou de -1,1% para -0,3%.

O investimento medido pela formação bruta de capital fixo (FBCF) também refletiu a piora na construção civil e na indústria em geral, além de uma queda mais acentuada das importações.

Com isso, a queda no indicador foi agravada de 7,8% para 10,1% no primeiro trimestre. No segundo trimestre, a retração também se aprofundou: de 11,9% para 12,9%.

O IBGE revisou ainda os dados do setor externo. O crescimento das exportações no primeiro trimestre saiu de 3,2% para 3,3% e de 7,5% para 7,7% no segundo trimestre.

Por sua vez, as importações registraram queda maior no primeiro trimestre, saindo de 4,7% para 5%.
No segundo trimestre a queda nas importações de bens e serviços saiu de 11,7% para 11,5%.

Nenhum comentário: