domingo, abril 24, 2016

Ladeira abaixo

Pedro Marcondes de Moura
Revista ISTOÉ

Novas delações premiadas revelam que o ex-presidente Lula sabia do pagamento de propinas em contratos da Petrobras

Nas últimas semanas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vem tentando, a todo custo, se desvencilhar das denúncias do Petrolão. As investidas não têm sido bem-sucedidas. Por mais que Lula lute para subverter os fatos, revelações comprometedoras acabam por emaranhar ainda mais a defesa do ex-presidente. Três vieram logo após a votação do impeachment na Câmara. Em depoimento na segunda-feira 18, o ex-diretor da área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, vinculou o seu crescimento profissional na estatal à gratidão de Lula por serviços de corrupção prestados.

Na condição de delator, Cerveró detalhou como tirou do papel uma operação ilícita para quitar um empréstimo de R$ 12 milhões feito por José Carlos Bumlai, compadre do ex-presidente, com o Grupo Schahin. Os recursos foram usados para pagar dívidas do PT. Cerveró selou, em troca do perdão da dívida, um contrato de cerca de US$ 1,6 bilhão entre a Schahin Engenharia e a Petrobras para operar um navio sonda. A ordem, disse, veio do ex-presidente da estatal Sergio Gabrielli. A generosidade de Lula, afirmou Cerveró no depoimento, ficou clara quando ele quis trocar de cargo na máquina pública. O ex-presidente não se furtou a ajudá-lo. Como reconhecimento pela ajuda, autorizou a sua transferência do cargo de diretor da Petrobras para uma chefia na BR Distribuidora.


TENSÃO 
Lula deixa o diretório do PT em São Paulo:
cada vez mais encrencado

Os relatos de Cerveró reforçam as declarações de outro delator. Diogo Ferreira, assessor do senador Delcídio do Amaral, apontou à Justiça que Lula fez parte da tentativa de comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras preso pela Lava Jato. O líder petista temia as revelações de Cerveró. Foram feitos três pagamentos a familiares dele. O plano tinha até um roteiro espetaculoso de fuga para o exterior. Acabou frustrado depois que o filho de Cerveró entregou para autoridades gravações das tratativas conduzidas pelo senador Delcídio do Amaral. Cerveró e o assessor Diogo Ferreira não são os primeiros a citarem Lula em delações premiadas. Como ISTOÉ antecipou, Delcídio confirmou o envolvimento de Lula na tentativa de silenciar o ex-diretor. Na quarta-feira 20, o STF autorizou a inclusão de trechos da delação do senador em que ele cita Lula, a presidente Dilma e o vice, Michel Temer, em um inquérito que investiga a existência de uma engrenagem criminosa na Petrobras.

Outro laudo da Polícia Federal coloca sob suspeita a relação de Lula com empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato. Ele indica que, das contas usadas pela construtora Andrade Gutierrez para o pagamento de propina, saíram pagamentos a entidades ligadas ao ex-presidente. Depósitos de 3,6 milhões entre os anos de 2011 e 2014. Parte do dinheiro foi destinada a doações ao Instituto Lula. O restante a Andrade Gutierrez depositou nas contas da LILS Palestras, empresa de Lula. Seriam pagamentos pela realização de conferências. Sobre as plaestras de Lula, o juiz Sergio Moro já chegou a afirmar: “não se pode concluir pela ilicitude das transferências às empresas do ex-presidente, mas é forçoso reconhecer que trata-se de valores altos para doações e palestras, o que no contexto do esquema criminoso da Petrobras gera dúvidas sobre a generosidade das empresas.”

As apurações mais avançadas sobre Lula envolvem a ocultação de um tríplex no Guarujá e de um sítio em Atibaia. Promotores paulistas e procuradores que investigam o Petrolão possuem depoimentos que reforçam que os imóveis em nome da OAS e de sócios do filho de Lula pertencem, na verdade, à família do ex-presidente. Chama a atenção o fato de tanto o apartamento como o sítio terem sido reformados por empreiteiras envolvidas no Petrolão. A ex-primeira-dama Marisa Letícia acompanhou as obras de perto. Durante as investigações, o Ministério Público de São Paulo chegou a pedir a prisão de Lula. O pedido foi negado pela Justiça paulista, que encaminhou o processo para o juiz Sergio Moro. Em março, agentes da Polícia Federal ligados à Lava Jato levaram o presidente coercitivamente para prestar depoimento sobre as denúncias. Mas o caso foi tirado do Paraná após Lula ser nomeado ministro da Casa Civil pela presidente Dilma Rousseff.

A nomeação de Lula é motivo de investigação. Interceptações telefônicas indicam que ela ocorreu para livrá-lo da Justiça Federal do Paraná. Como ministro, o ex-presidente passou a ter foro privilegiado. Responde a eventuais denúncias no Supremo Tribunal Federal. Em um dos diálogos, Lula fala com a presidente Dilma Rousseff. Ela diz que está enviado um termo de posse para Lula antes mesmo de ele assumir o cargo. Na prática, um salvo-conduto para um eventual pedido de prisão decretado pelo juiz Sergio Moro. A nomeação de Lula acabou suspensa preliminarmente por determinação do STF. A Corte a julgaria na quarta-feira 20. Não é de estranhar que, diante de tantos fatos novos, tenha adiado a sessão.

Procuram-se ministros

Governo enfrenta uma debandada na Esplanada dos Ministérios

Dilma Rousseff enfrenta um problema inusitado. Faltam interessados em ocupar vagas de primeiro escalão em seu governo. Mesmo siglas fisiológicas entregaram o comando de ministérios. O PP devolveu o da Integração Nacional. Gilberto Kassab, do PSD, demitiu-se da pasta das Cidades. Seguiram os rumos dos peemedebistas Henrique Alves (do Turismo), Mauro Lopes (da Aviação) e Eduardo Braga (Minas e Energia). Engrossam o número de ministérios sob o comando de interinos. Um terço das pastas está nesta situação. Para piorar, a petista não tem conseguido repor os quadros. Políticos e partidos sabem que, com a iminência do afastamento dela, ficarão semanas, no máximo, à frente dos cargos.
Dilma se confunde para preencher até quadros estratégicos, como a Justiça. Indicou um ministro que foi obrigado a deixar o cargo após o STF decidir que não poderia ocupar a função por ser promotor. Colocou outro no lugar: um procurador da República. Seis por meia dúzia. Uma guerra de liminares tira e põe Eugênio Aragão da função.

Foto: GABRIELA BIL/AE 

Nenhum comentário: