domingo, junho 19, 2016

A bolsa milionária para os amestrados de Dilma, ou vagabundagem remunerada!

Adelson Elias Vasconcellos



Dilma Rousseff quando presidente e sobre ela pesava apenas a mediocridade e a irresponsabilidade na condução da economia do país, ao abrir a boca já produzia coisas do arco da velha, ideias desconexas, sem sentido algum, misturando o pensamento A no meio do pensamento B, mas sem concluir nenhum dos dois. 

Agora, afastada do poder, tendo de responder a um processo de impeachment além do de obstrução da justiça e das investigações do TSE pelo uso de dinheiro roubado nas campanhas de eleição e reeleição,  a rainha destronada não se conforma. Desde que o processo de impeachment foi aceito, ela insiste em proclamar que a ação é golpe, apesar de que o impedimento está descrito e previsto na constituição, apesar de que o rito foi estabelecido pelo Supremo Tribunal Federal e cujos ministros  já se pronunciaram afirmando que o impeachment golpe não é. Aliás, nesta fase do processo quem preside os trabalhos no Senado é nada mais nada menos do que o próprio presidente do STF. Mas ela insiste no discurso teimosamente.

Pesquisa revelada hoje informa que pelo menos 2/3 da população não considera o impeachment um golpe. Pois bem, enquanto a sua bancadinha histérica se escalpela em sua defesa na comissão que analisa o pedido aprovado na Câmara de Deputados, Dilma resolveu sair por aí a atacar e criticar o governo Temer. E não tem poupado esforços e saliva num discurso imbecil.

Texto da Folha informa que a ex-soberana afirmou que “Temer está "desmontando o país" e aplicando um programa que não passaria nas urnas”.

Então vejamos. Pelo que sabemos da situação em que Temer encontrou o país, definitivamente não há o que desmontar. Dilma se encarregou de realizar uma obra completa. Nada sobrou nada em pé em pé. Nada. Até os programas sociais foram podados por ela em bilhões de reais. Dois anos de recessão, cinco anos de inflação fora do controle, 12 milhões de desempregados, isto tudo Temer encontrou pronto e acabado pela bucéfala e desastrada soberana destronada. 

Quanto ao programa de conserto da economia que a equipe econômica do presidente Temer está levando em frente, talvez não fosse aprovado numa campanha eleitoral. Mas, venham cá: o que foi a campanha da senhora Rousseff em 2014 senão o maior estelionato eleitoral da história? De fato, tudo o que ela fez ou tentou fazer depois de reeleita não foi exatamente o que afirmou categoricamente que não iria fazer? Mal declarada vencedora, em menos de uma semana lá veio o tarifaço da energia, a elevação dos juros e da gasolina, trazendo consigo o desemprego e um programa de ajuste fiscal em que se cortaram bilionárias verbas na educação, saúde e nos investimentos públicos.

Assim, esta senhora não tem moral nem credibilidade alguma para criticar o governo Temer, quando este tenta corrigir os desvios e os desacertos de Dilma e que nos colocaram na maior crise econômica da história. 

Dada sua arrogância, Dilma não se convenceu que seu afastamento não se baseou apenas em pedaladas fiscais. Dois terços da população aprovavam seu impeachment e sua rejeição era a maior dentre todos os presidentes brasileiros. Perdeu em todas as frentes que abriu para se agarrar, feito doida, ao castelo de areia que construiu em torno de si.

Quanto aos “parasitas”, seria oportuno que Dilma contasse quantos de sua tropa de amestrados que pululam em sua volta, quantos continuam mamando nas tetas do Tesouro Nacional (dinheiro do povo), por longos 6 meses numa vagabundagem dolorosa, a pretexto da tal “quarentena remunerada”, com salários integrais. Nesta vagabundagem remunerada e imoral, já se tem um total de 41  contemplados e aguardam na fila mais 51 pedidos. Todos sem cargos no governo.

A certa altura, a afastada Rousseff tem a cara de pau de afirmar que Temer está desmontando as conquistas de seu governo. É, conforme tem revelado a Lava Jato,e mais a situação da dívida pública, da recessão, do desemprego, da inflação, dos juros altos, dos déficits bilionários, sem dúvida, são conquistas com a marca registrada da senhora Rousseff. 

Não contentes em quebrar o Brasil, em roubar e deixar roubar bilhões de reais dos cofres públicos, eles ainda se querem “merecedores” de verbas e regalias às custas dos contribuintes, sem prestar em troca um único benefício para o país.   E os outros é que são golpistas! Arre!

Nenhum comentário: