domingo, junho 05, 2016

Delator acusa CNI de usar a Olimpíada do Conhecimento para pagar caixa dois de Pimentel

Filipe Coutinho
Revista ÉPOCA

De acordo com o delator da Operação Acrônimo, Benedito de Oliveira Neto, Fernando Pimentel e o presidente da entidade que representa as indústrias no país acertaram R$ 1 milhão em caixa dois

 (Foto: Igo Estrela/ÉPOCA)
Robson Andrade, presidente da CNI 

O delator Benedito de Oliveira Neto, o Bené, acusa o governador de Minas, Fernando Pimentel, de fazer um acordo com a Confederação Nacional da Indústria, a CNI, para ganhar R$ 1 milhão em caixa dois na campanha de 2014.

Preso pela Operação Acrônimo, Bené admitiu à PF que operava para Pimentel, arrecadando propina para a campanha vitoriosa de 2014. Segundo o delator, o presidente da CNI, Robson Andrade, usou um contrato para desviar dinheiro do Sistema S e abastecer a campanha de Pimentel, que era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Trata-se do evento bianual Olimpíada do Conhecimento, a maior competição de educação profissional das Américas. A última edição foi em 2014 em Belo Horizonte e, na delação, o delator chama o evento de "olimpíadas da matemática". 

ÉPOCA teve acesso aos depoimentos de Bené prestados à Polícia Federal em sua delação e já revelou que o delator disse que o Palácio do Planalto foi usado para arrecadar dinheiro de campanha. O delator cita nominalmente o presidente da CNI, Robson Andrade. “Em agosto de 2014, FERNANDO PIMENTEL comunicou ao colaborador que havia se reunido com ROBSON ANDRADE, presidente da Confederação Nacional da Indústria – CNI, e que havia acertado uma contribuição de tal entidade sindical no valor de 1 (um) milhão de reais para a campanha eleitoral de 2014 de FERNANDO PIMENTEL para o governo de Minas Gerais”.

 (Foto: Reprodução)

Anexo da delação premiada de Bené acusa a CNI


Segundo Bené, a solução encontrada foi usar o evento para pagar as despesas. “O colaborador deveria solicitar a algumas empresas com débitos por serviços prestados na campanha eleitoral de 2014 de FERNANDO PIMENTEL para o governo de Minas Gerais que emitissem notas fiscais em nome da empresa SAMBA PRODUÇÕES. A empresa SAMBA PRODUÇÕES estava executando serviços relacionados à olimpíada da Matemática em Belo Horizonte com recursos do SESI/SENAI”.

Em nota, o advogado de Fernando Pimentel, Eugênio Pacelli, critica a delação de Bené. “Tudo indica que delações como essas constituem o cardápio principal servido nas prisões nacionais. Criminosos de carreira vêm sendo beneficiados com leves prisões domiciliares e perdas irrelevantes de seu patrimônio constituído em ações delituosas. Por isso, nessas delações ‘Mega-Sena’ fala-se pelos cotovelos, que nem tornozeleiras ostentarão”, afirmou.

A CNI disse que não comentaria por desconhecer os termos da delação. 

Nenhum comentário: