quarta-feira, junho 29, 2016

O separatismo no Brasil

Amanda Almeida
O Globo

Um movimento separatista, chamado São Paulo Livre, enxergou, na saída do Reino Unido da União Europeia, uma ótima oportunidade de atrair holofotes para a sua causa. Está convocando os eleitores do estado para participar de um plebiscito, em 2 de outubro, sobre a separação de São Paulo do resto do país.

"A Grã-Bretanha saiu da UE. E agora é a nossa vez. A vez de São Paulo. Os tempos mudam e nós, paulistas, queremos sair do Brasil e fazer um país só nosso, chamado São Paulo", anuncia o grupo nas redes sociais.

São Paulo Livre | Divulgação



A adesão ao grupo, pelo menos na internet, no entanto, é pequena, em comparação à população de São Paulo (44 milhões de pessoas). Pouco mais de 9,5 mil pessoas seguem a o movimento em uma das redes.

Aos seus seguidores, o grupo pede voluntários para ajudar no dia do plebiscito e antecipa as perguntas:

"Você está insatisfeito com o jeito como São Paulo está politicamente representado na República Federativa do Brasil?" 
( ) Sim
( ) Não

Se 'sim', você gostaria que São Paulo se tornasse um país independente?"
( ) Sim
( ) Não"

Para conquistar adeptos, o movimento anuncia que "no país novo, haverá uma simplificação do sistema tributário (menos impostos, e impostos menores); forte apoio à pequena e média empresa e ao empreendedor individual, para que mais empregos sejam gerados e a economia cresça com estabilidade".

Sobre política, o grupo, lançado em 2014, vocifera que "os atuais partidos não nos representam mais". "Com um país novo, teremos novos partidos; um parlamento unicameral - sem Senado- menor e muito mais econômico que o Congresso brasileiro; e leis implacáveis contra a corrupção e o mal-uso do dinheiro público", registra.

O movimento diz que não é ligado a partidos políticos. Em relação ao impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff, se posiciona favoravelmente.

 São Paulo Livre 2 | Divulgação



OUTROS CASOS. 
O São Paulo Livre não defende uma causa inédita. Há movimentos separatistas em outros estados do país. O Sul é meu país quer que os três estados da região (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná) se tornem independentes do Brasil.

"Somos um povo que tem seu passado escrito com o sangue e o trabalho de nossos ancestrais, e exatamente por termos consciência deste patrimônio histórico, é que nos sentimos responsáveis pela história que haveremos de deixar para os que vierem depois de nós. Somos amantes do trabalho e da liberdade, mas queremos ser os responsáveis pelo nosso destino", diz a carta de princípios do grupo.

Nenhum comentário: