sexta-feira, junho 24, 2016

Operação Custo Brasil : Desvios no Planejamento abasteceram caixa do PT, diz Polícia Federal

Folha de São Paulo
Gabriel Mascarenhas, Márcio Falcão, Mônica Bergamo, Bela Megale, Catia Seabra, Wálter Nunes 

Zanone Fraissat/Folhapress


A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (23) uma operação que investiga um esquema de corrupção supostamente usado para abastecer o caixa do PT.

Paulo Bernardo, ex-ministro dos governos Lula e Dilma, foi preso preventivamente, suspeito de receber até R$ 7 milhões em propina.

Ele foi detido em Brasília, no apartamento funcional onde estava com a mulher, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). A casa dos dois em Curitiba também foi alvo de buscas.

O petista deve ser levado à sede da PF em São Paulo, que centraliza a investigação, um desdobramento da Lava Jato. Esta foi a primeira vez que um ex-ministro de Dilma foi preso.

O ex-ministro da Previdência e da Secretaria da Aviação Civil Carlos Gabas, amigo pessoal da presidente afastada Dilma Rousseff, e o jornalista Leonardo Attuch, dono do site "Brasil 247", foram chamados a depor voluntariamente. A residência de Gabas em Brasília e a sede do "Brasil 247" ainda foram alvo de busca e apreensão.

O secretário municipal de Gestão de São Paulo, Valter Correia, que já trabalhou no ministério do Planejamento, também foi detido e sua casa foi alvo de busca e apreensão.

Há ainda um mandado de prisão para o ex-tesoureiro do PT João Vaccari, já preso pela Operação Lava Jato em Curitiba.

Outro alvo de prisão preventiva é o advogado Guilherme Gonçalves, que atuou nas campanhas de Gleise Hoffmann. Ele está em Portugal e se apresentará à PF assim que chegar ao Brasil, afirmou seu advogado. A PF também realizou buscas em seu escritório.

São alvos de buscas a sede nacional do PT, em São Paulo, e a sede do partido em Brasília. Militantes do partido fizeram um protesto em frente ao local e acusaram a PF de perseguir a sigla. Foi estendida uma faixa com a imagem do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) com os dizeres "Tchau ladrão" e a pergunta "E o Temer?".

Advogados já foram acionados pelo partido para tentar acompanhar a operação. O presidente nacional do partido, Rui Falcão, estava em Brasília e volta nesta quinta para São Paulo.

CUSTO BRASIL
Batizada de Custo Brasil, a operação mira em um esquema de pagamento de propina em contratos de prestação de serviços de informática do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, pasta que foi comandada por Paulo Bernardo.

Os investigadores afirmam ter elementos de que agentes públicos do ministério direcionaram licitações em favor da empresa de tecnologia Consist Software, que geria créditos consignados para servidores federais.

As supostas fraudes teriam desviado cerca de R$ 100 milhões entre os anos de 2010 e 2015 para contas do PT e de servidores do ministério, entre eles Paulo Bernardo.

A investigação é fruto da delação premiada do ex-vereador de Americana (SP) Alexandre Romano, preso em agosto de 2015. Segundo os policiais, ele foi um dos operadores do desvio.

LAVA JATO
Esta é a primeira operação da PF em São Paulo fruto de desdobramento da Operação Lava Jato.

O inquérito policial foi instaurado em dezembro de 2015, após o Supremo Tribunal Federal determinar que a documentação apreendida na 18ª fase da Operação Lava Jato, conhecida como Pixuleco 2, fosse encaminhada para investigação em São Paulo.

A operação está sendo chefiada pela Delecor de São Paulo (Delegacia de Repressão a Corrupção e Crimes Financeiros).

Franklin de Freitas - 31.out.10/Folhapress
O ex-ministro Paulo Bernardo e sua mulher, 
a senadora Gleisi Hoffmann, em imagem de 2010

Estão sendo cumpridos 11 mandados de prisão preventiva, 40 mandados de busca e apreensão e 14 mandados de condução coercitiva nos Estados de São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Distrito Federal, todos expedidos, a pedido da PF, pela 6ª Vara Criminal Federal em São Paulo.

Os alvos em Brasília estão sendo levados para o hangar da PF e devem embarcar às 9h, sem previsão de chegada a São Paulo, já que o avião fará escalas.

Os investigados poderão responder pelos crimes de tráfico de influência, corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa, com penas de 2 a 12 anos de prisão.

OUTRO LADO
A defesa de Paulo Bernardo afirmou que não teve acesso à decisão, mas que a prisão é ilegal e que o ex-ministro não se envolveu em irregularidades.

A defesa de Guilherme Gonçalves afirmou "que ele sempre esteve a disposição da justiça, sendo desnecessária essa medida constritiva da liberdade do advogado".


PRINCIPAIS ALVOS DA OPERAÇÃO CUSTO BRASIL

Polícia Federal apura pagamento de propinas em contratos vinculados ao Ministério do Planejamento entre 2010 e 2015

PAULO BERNARDO
QUEM É? 
Ex-ministro dos governos Lula e Dilma

CARLOS GABAS
QUEM É? 
Ex-ministro da Previdência e da Secretaria da Aviação Civil. Amigo pessoal da presidente afastada Dilma Rousseff

LEONARDO ATTUCH
QUEM É? 
Jornalista, dono do site “Brasil 247”

VALTER CORREIA
QUEM É? 
Secretário municipal de Gestão de São Paulo, foi chefe da Assessoria Especial para Modernização da Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão no governo Dilma, sob a então ministra Miriam Belchior


+ ERRAMOS: O conteúdo desta página foi alterado para refletir o abaixo

23/06/2016  09h53 O texto afirmava incorretamente que o ex-ministros Carlos Gabas e o jornalista Leonardo Attuch haviam sido alvo de condução coercitiva. Eles foram chamados a depor voluntariamente pela Polícia Federal.

Nenhum comentário: