domingo, junho 05, 2016

Relatório mundial sobre a competitividade: o Brasil é o pior do mundo

 Valor 


A competitividade da economia brasileira situa-se no grupo de pior nível no Relatório Mundial sobre a Competitividade publicado ontem pelo IMD, uma das melhores escolas de administração do mundo, sediada em Lausanne (Suíça).

O Brasil fica em 57º entre os 61 países avaliados. Perdeu apenas uma posição em relação ao ano passado, mas o principal responsável pelo relatório, o professor Arturo Bris, diz que não dava para a economia brasileira cair mais do que a dos quatro últimos: Venezuela, Mongólia, Ucrânia e Croácia. A Ucrânia, envolvido em conflito militar com a Rússia, ganhou uma posição.

Entre 2010 e 2016, o Brasil perdeu 19 posições no ranking global da competitividade, numa das maiores deteriorações registradas.

"O Brasil tem o pior governo do mundo no relatório deste ano", nota Bris, em entrevista ao Valor. "A eficiência do governo fica em 61º lugar, o mais baixo nível em gestão das contas públicas, transparência, barreiras ao comércio exterior, regulações laborais".

Segundo o professor Carlos Arruda, da Fundação Dom Cabral, que assessora o IMD na coleta de dados sobre o Brasil, dois terços da avaliação são baseadas em dados econômicos e um terço em opinião de centenas de executivos.

A contração econômica e a deterioração das contas públicas pesaram forte. Mas foi determinante a percepção negativa de empresários, ouvidos entre janeiro e abril, em meio aos escândalos de corrupção, governo frágil, falta de transparência e incapacidade de reanimar a economia brasileira.

Além dos problemas recorrentes, como custo Brasil, infraestrutura deficitária e corrupção, outra evidência que aparece, conforme Arruda, é o tamanho do desafio sobre gestão pública e também privada, particularmente nas áreas de telecomunicações, saúde e educação.

Página 1 de 2 Brasil perde competitividade e tem pior governo em 61 países
31/05/2016http://www.valor.com.br/imprimir/noticia/4581953/brasil/4581953/brasil-perde-competiti...

"O Brasil está entre os 10 países que mais gastam nessas áreas, mas também está entre os piores do mundo em termos de eficiência", diz ele. "Para melhorar a competitividade brasileira, é preciso repensar gestão pública e privada."

Bris identifica um padrão comum entre os 20 países mais competitivos do mundo: o foco na regulação favorável aos negócios, infraestrutura física e intangível e instituições fortes. Enquanto isso, avalia Bris, no Brasil e na América Latina em geral o setor público continua a ser um entrave para as economias.

"O Brasil não fez reformas quando podia e não adianta só melhorar regulações ou abrir mercado", diz ele. "O combate à corrupção, a melhora da educação e da saúde vão levar várias gerações no país, vai demorar muito."

Arruda compara a situação atual à de fim do governo de Fernando Henrique Cardoso e começo do governo Lula, quando a percepção sobre a competitividade chegou a níveis muito baixos. Sua expectativa é que a percepção empresarial melhore a partir de agora, como ocorreu no segundo ano do governo Lula e como ocorre na Argentina com o governo de Macri.

Arruda aponta também elementos positivos no Brasil. As exportações dão sinais de melhora. A infraestrutura aeroviária mostra que o esforço de privatização está na direção certa. E não há mais gravidade no abastecimento de água.

"O Brasil continua recebendo volume significativo de Investimento Estrangeiro Direto. Imagine com uma economia ajustada", nota o professor.

O desastre da competitividade, em todo caso, é generalizado na América Latina. Somente o Chile consegue posição menos desconfortável, em 36º entre 61 países. México (45º) e Brasil caíram uma posição. A Colômbia se manteve em 51ª. Somente a Argentina ganhou quatro posições (de 59ª para 55ª), pela aposta do setor privado em melhorias com o novo governo. A Venezuela é a lanterna, como o menos competitivo do mundo.

Neste ano, Hong Kong lidera o ranking de economia mais competitiva do planeta, jogando os Estados Unidos para o terceiro lugar. A Suíça fica em segundo. Os outros mais competitivos são Cingapura, Suécia, Dinamarca, Irlanda, Holanda, Noruega e Canadá.

Centro financeiro e bancário, Hong Kong encoraja inovação por meio de política tributária simples e baixa carga de impostos. O país não impõe restrições sobre fluxos de capitais. Também oferece um portão para investimento na China, o novo poder econômico, e permite que os negócios ali tenham acesso ao mercado de capital global, conforme o relatório.

No entanto, afora Hong Kong e Cingapura, o IMD indica que a competitividade declinou também na Ásia desde o ano passado. A China caiu três posições, para 25º lugar.

Nenhum comentário: