terça-feira, junho 14, 2016

STF envia a Moro apurações contra Gabrielli e ex-ministros de Dilma

Márcio Falcão
Folha de São Paulo

Pedro Ladeira - 13.mar.2015/Folhapress
O ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli fala na CPI da Petrobras

O STF (Supremo Tribunal Federal) enviou para o juiz Sergio Moro procedimentos que envolvem na Lava Jato os ex-ministros Edinho Silva (Comunicação Social), Jaques Wagner (Casa Civil), Ideli Salvatti (Direitos Humanos), além do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli.

Eles foram citados por delatores da Lava Jato, mas como foram afastados do governo com o avanço no Senado do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff eperderam foro privilegiado, não precisam mais ser investigados no Supremo.

O inquérito de Edinho foi aberto a partir da colaboração do empreiteiro Ricardo Pessoa que afirmou aos investigadores que entendeu, ao conversar com o ex-ministro da Comunicação sobre recursos para a campanha eleitoral de Dilma, em 2014, que o esquema de pagamento de doações para obtenção de obras na Petrobras continuaria em um eventual segundo mandato da presidente.

O PT pediu R$ 20 milhões da UTC, mas os valores para a campanha de Dilma foram acertados em R$ 10 milhões, sendo que R$ 7,5 milhões foram pagos e o restante não foi depositado porque o empresário acabou preso em novembro de 2014.

À Polícia Federal Edinho negou que tenha pressionado a UTC a fazer doações. Em nota divulgada na época das acusações de Pessoa, o ministro afirmou ter "a tranquilidade de quem agiu dentro da legalidade".

OUTRAS INVESTIGAÇÕES
Foram enviadas ainda para a Justiça do Paraná duas apurações envolvendo o ex-ministro Jaques Wagner. Uma delas envolvia o ex-presidente José Sérgio Gabrielli a partir da colaboração do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

Segundo o relato, que a campanha do então candidato Jaques Wagner (PT) ao governo da Bahia em 2006 foi beneficiada com recursos desviados da Petrobras. Cerveró disse que o apoio financeiro dado por José Sergio Gabrielli, na época presidente da Petrobras, foi o que permitiu Wagner sair da condição de azarão para vencer a eleição. Gabrielli, ainda de acordo com Cerveró, só alcançou o comando da estatal porque teve o apoio de Wagner.

Gabrielli e Wagner negam relação com o esquema de corrupção da Petrobras.

Outra apuração trata da ex-senadora e ex-ministra Ideli Salvatti. Cerveró afirmou que ela interferiu na BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras, para renegociar uma dívida de R$ 90 milhões que a transportadora Dalçoquio tinha com a estatal. Ele afirmou que "'imagina que a ministra Ideli e outros políticos' receberam propina pelo negócio".

Ideli tem dito, por meio de sua assessoria que não se lembra de qualquer reunião com Cerveró e que está à disposição das autoridades para colaborar com as investigações.

Moro também vai avaliar investigação de que o ex-senador Delcídio Amaral, também delator da Lava-Jato, recebeu propina da multinacional francesa Alstom para a exploração de usinas termelétricas, na época em que era diretor de Gás e Energia da Petrobras, ainda durante o governo do tucano Fernando Henrique Cardoso. 

Nenhum comentário: