terça-feira, julho 12, 2016

Aviões que invadirem espaço aéreo de arenas olímpicas podem ser abatidos

Marcio Menasce 
O Globo

Aeronáutica está autorizada a dar tiro de destruição, diz ministro da Defesa

Pablo Jacob / Agência O Globo
O ministro da Defesa, Raul Jungmann 

RIO - O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou nesta quarta-feira que qualquer aeronave não autorizada que invadir o espaço aéreo delimitado das arenas olímpicas poderá ser abatida. Ele apresentou o plano de segurança para a Olimpíada, no Comando Militar do Leste, no Rio, junto com o ministro da Justiça, Alexandre Moraes; o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), Almirante Ademir Sobrinho; e o Comandante Militar do Leste, General Fernando Azevedo.

— Se qualquer aeronave não reconhecida entrar no espaço aéreo restrito, a aeronáutica está autorizada a dar tiro de destruição. Nós não estamos aqui para brincadeira — disse o ministro da Defesa.

Jungmann também afirmou que pela primeira vez na história da Olimpíada, está em atuação um Comando internacional de inteligência, com 97 países conveniados para atuar na prevenção de ataques terroristas e monitoramento de ameaças. Durante a apresentação do plano de segurança, o ministro ressaltou, no entanto, que nenhum destes países registrou nenhuma ameaça potencial.

— Temos todo o cadastro de terroristas mais moderno do mundo, que é o dos Estados Unidos. O secretário de segurança interno dos Estados Unidos entrou em contato conosco e finalizamos convênio com a Polícia Federal para passagem de informações, online, de todas as pessoas que embarcarem em aeroportos americanos para o Brasil. Estamos trabalhando com o que há de mais moderno no combate ao terrorismo. Todas as informações, toda a experiência de países como Estados Unidos, Israel, França e etc.

O ministro da Justiça, Alexandre Moraes, reafirmou que não há nenhum indício de probabilidade de ataque terrorista no país. Segundo ele, também não há nenhuma indicação de que o terrorista sírio Jihad Ahmad Deyab, ex-presidiário de Guantánamo, em Cuba, tenha entrado no país. Ontem, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, confirmou que o governo brasileiro procura por Deyab.

— As autoridades uruguaias nos informaram que ele saiu do Uruguai. Elas perderam o rastreamento dele e pediram para analisarmos se ele estaria em território nacional, pois ele já tentou por duas vezes entrar no Brasil e foi interceptado. Mas não há nenhum indício de que ele esteja em território nacional — disse Moraes.

O general Fernando Azevedo reafirmou que as Forças Armadas vão atuar com policiamento ostensivo nas orlas da Zona Sul e Oeste. Além dessas áreas, o trabalho também será feito em vias especiais, como Linha Amarela, parte da Linha Vermelha e Avenida Brasil, além de Ferrovias e da Transolímpica.

O policiamento não estava previsto entre as atribuições das Forças Armadas para os Jogos, mas, segundo o general, o governador do Rio em exercício, Francisco Dornelles, pediu no último dia 15, por esse reforço na segurança da cidade. O planejamento de segurança prevê o uso, durante a Olimpíada, de 12 navios, 1169 viaturas, 70 blindados, 28 helicópteros, 48 embarcações e 174 motos das Forças Armadas.

— Vamos fazer o policiamento ostensivo das vias. Vamos atuar integrados à segurança pública, não substituindo, mas aliviando a Polícia Militar para as ocorrências do dia a dia. Vamos estar nas vias, nas ruas, em patrulhamento, como militar fica, com suas viaturas, armados o tempo todo. — disse o general.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que 6 mil homens das Forças Armadas já estão à disposição dos Jogos. Eles são do efetivo das forças armadas que já está baseado no Rio.

— Já se tem no Rio um efetivo de 6 mil homens, testados, treinados e prontos para entrar em ação. No fim de semana teremos as primeiras manobras envolvendo as Forças Armadas. No dia 15, este efetivo chegará a 18 mil homens. No dia 17, chegaremos a quase 22 mil homens. Estes se somarão ao efetivo da Força de Segurança Nacional e à Policia Militar do Rio — disse o ministro.

Nenhum comentário: