terça-feira, julho 12, 2016

Déficit da Previdência em 2017 deverá ser de R$ 183 bilhões. Se não houver reforma, será o caos!

Exame.com
Rachel Gamarski, Eduardo Rodrigues, Idiana Tomazelli, Adriana Fernandes e Carla Araújo, Estadão Conteúdo

Marcello Casal Jr./ABr
Dyogo Oliveira: ministro do Planejamento diz que governo está adotando
 limitações de despesas e que essas ações começarão a produzir resultados

Brasília - O ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirmou nesta quinta-feira, 7, que o País irá entrar em um ciclo de reequilíbrio.

"Esse é o ponto relevante do que está sendo anunciado hoje. Esse resultado (déficit de R$ 139 bilhões para 2017) não acontece por acaso, acontece porque estamos adotando limitação da despesa e rígido controle da despesa e medidas como as que foram anunciadas sobre as obrigatórias", disse.

O ministro avaliou que "essas ações começam a produzir resultados e, em 2017, temos reversão do processo". "Isso é a primeira ação do resultado fiscal do governo", destacou.

Entre os números usados pelo governo, Dyogo afirmou que o déficit da Previdência Social no próximo ano será de R$ 183 bilhões, ante uma projeção de R$ 147 bilhões em 2016.

Segundo ele, a despesa da Previdência cresce de R$ 504 bilhões para R$ 561 bilhões. "A Previdência aumenta R$ 57 bilhões entre 2016 e 2017", esclareceu.

Ao lado de Dyogo, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou que as medidas de modificação do auxílio-doença e invalidez, anunciadas mais cedo por ele, economizarão R$ 7 bilhões aos cofres do governo. "Vamos cortar obrigações que estão sendo cumpridas, mas que não existem", disse.

De acordo com Dyogo, o governo está trabalhando com a perspectiva de crescimento do PIB em 1,2%, mas que terá, em 2016, um PIB negativo, o que terá reflexo na receita.

"Quando tivermos retomada, a produção industrial começará a reagir. Começamos processo de retomada. Se tivermos 1,2% do PIB, nossa receita vai melhorar, porque aqui foi considerada receita em queda", afirmou.

Nenhum comentário: