quarta-feira, julho 06, 2016

Desembargador do Rio acumula mais de 1.000 ações com prazos excedidos

 Nonato Viegas
Revista ÉPOCA

Há processos com mais de 400 dias parados com Nildson da Cruz. Em todo o Tribunal, são 2.600 na mesma situação

 (Foto: Marcelo Piu/Agência O Globo)
Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro 

Há, no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, 2.600 processos que extrapolam o prazo de 100 dias sem movimentação, segundo levantamento da própria Corte. Desse total, 68% estão sobre as mesas de apenas dois desembargadores: Nildson Araújo da Cruz, da 6ª Câmara Criminal, e Mônica Feldman de Mattos, da 27ª Câmara Civil do Consumidor. Cruz acumula 1.010 processos. Alguns deles, com mais de 400 dias sem movimentação. Já a desembargadora Mônica, segundo o levantamento, acumula 768 ações paradas.

Questionado pela EXPRESSO, o desembargador Nildson da Cruz respondeu, via assessoria de imprensa, que “vem sofrendo há um ano com sérios problemas de saúde decorrentes de hérnias que comprimem o seu nervo ciático. Ele trabalhou durante as suas férias para despachar os autos”. O comunicado afirma, ainda, que “os julgamentos na 6ª Câmara Criminal, presidida pelo desembargador, são feitos de forma meticulosa e estudada, envolvendo muitas vezes processos volumosos e complexos”. Para encerrar, o desembargador informa que “não há reclamações nem pedidos de redistribuição das ações por parte dos advogados”.

Sobre a desembargadora Mônica Feldman de Mattos, o TJ-RJ afirma que “a magistrada integra uma das Câmaras Cíveis do Consumidor, que, pela natureza da matéria, recebe um volume de ações muito superior ao das Câmaras Cíveis não especializadas” e que a “desembargadora trabalha de segunda a sexta-feira, chegando ao Tribunal pela manhã e saindo à noite, com extrema dedicação ao seu trabalho, sendo certo que, tendo trabalhado durante todo o período de suas férias neste mês de junho, logrou significativa redução de seu acervo, o que restará atestado na próxima estatística a ser aferida”.

Nenhum comentário: