quarta-feira, julho 06, 2016

PF investiga fraudes em confederações esportivas

Veja online
Com informações Gazeta Press e Estadão Conteúdo

Confederações de esgrima, tiro com arco, tae kwon do, tiro esportivo e vôlei paralímpico são suspeitas de desviar R$ 22 milhões em esquema com empresas

(Ricardo Moraes/Reuters) 
Confederação de tiro com arco está entre as investigadas por fraude

A Polícia Federal investiga um esquema de fraudes em pelo menos cinco confederações esportivas brasileiras: esgrima, tiro com arco, tae kwon do, tiro esportivo e vôlei paraolímpico. Os desvios, que podem ultrapassar 22 milhões de reais, teriam ocorrido na compra de materiais e equipamentos. As informações são do Fantástico da TV Globo e da emissora ESPN.

São investigados pelo menos 14 convênios feitos com o Ministério do Esporte desde 2011. As entidades e uma quadrilha formada por diversas empresas são suspeitas de terem cometido fraude em licitação, superfaturamento e falsidade ideológica. Além das confederações, clubes que patrocinam esportes olímpicos também estão sendo investigados.

As fraudes teriam acontecido na compra de materiais e equipamentos como tatames, coletes para luta, computadores para análise de desempenho e filmadoras, entre outros. Em uma das compras, de acordo com a ESPN, uma empresa de Saquarema recebeu 3 milhões de reais pela compra de filmadoras, computadores e outros produtos de informática e entregou itens de menor valor.

De acordo com a TV Globo, as verbas liberadas pelo Ministério do Esporte foram desviadas por uma empresa carioca ("carta marcada") chamada SB Marketing e Promoções, que utilizou de falsificação de documentos e assinaturas para forjar a circulação do dinheiro.

Segundo os atletas das modalidades investigadas, o Brasil perdeu a chance de melhorar sua preparação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro por falta da estrutura que deveria ser fornecida com o dinheiro original.

O inquérito está sob a responsabilidade da Delegacia de Repressão a Corrupção e Crimes Financeiros (Delecor), no Rio de Janeiro.

Nenhum comentário: