quinta-feira, junho 01, 2017

LIDERANÇA PERDIDA E ISTO É BOM: Com novo corte, Brasil deixa de ter maiores juros reais do mundo

Exame.com
 João Pedro Caleiro

O Brasil está agora em segundo lugar mundial em juros reais de 4,30% atrás da Rússia com 4,57% e seguido por Turquia com 3,63%.

(Thinkstock/Thinkstock)
Brasileiros x americanos 


São Paulo – O Brasil perdeu a sua liderança entre os maiores juros reais (juros nominais menos inflação) do mundo.

O Copom promoveu hoje o segundo corte consecutivo de 1 ponto percentual na Selic, que foi de 11,25% para 10,25%.

A conclusão é de um estudo realizado a cada reunião pelo site MoneYou com a Infinity Asset Management, mas que acaba de mudar sua metodologia após discussões com o Banco Central.

O ranking passou a adotar a taxa de juros referencial do dia, como o Swap DI Pré de 1 Ano, por considerar que ela exprime melhor os juros de uma operação real de mercado do que o referencial das taxas nominais aplicadas pela Selic.

Além disso, o ranking abandonou o uso da inflação passada dos últimos 12 meses (ex post) e passou a usar a inflação projetada para os 12 meses seguintes (ex ante).

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, vinha enfatizando que a medida ex-ante era mais adequada pois é a que mais influencia as decisões econômicas. A mudança no método favorece países onde a inflação está em queda livre.

No entanto, o Brasil seguia líder até pelo menos abril mesmo se fosse considerado esse tipo de cálculo: tinha 6,36%, seguido da Rússia com 5,12%.

Pela conta nova, o Brasil está agora em segundo lugar mundial em juros reais com 4,30% atrás da Rússia com 4,57% e seguido por Turquia com 3,63%.

Nos últimos lugares do ranking estão países com juros reais negativos como Espanha (2,29%), Reino Unido (-2,37%) e Bélgica (-2,48%).

A Venezuela foi excluída por falta de dados confiáveis e a Nova Zelândia foi incluída por sua importância regional.

Nenhum comentário: