quinta-feira, junho 01, 2017

Os cinco obstáculos do PIB

O Globo


A economia brasileira cresceu 1% no primeiro trimestre. Foi a primeira alta desde 2014. Mas para sair de vez da recessão, o país terá que vencer alguns obstáculos. Veja o que pode atrapalhar essa escalada.


PRIMEIRO OBSTÁCULO:  CRISE POLÍTICA

A turbulência causada pela divulgação de uma conversa comprometedora, gravada em áudio, entre Michel Temer e o dono da JBS, Joesley Batista, abalou o governo. Para a economia, o principal risco é a continuidade da tramitação de reformas, como a da Previdência e a trabalhista. Sem a aprovação, a confiança de empresários, que vinha melhorando nos últimos meses, pode voltar a cair e afetar os investimentos.


SEGUNDO OBSTÁCULO: JUROS

Um mercado financeiro inseguro pode atrasar o aguardado processo de corte de juros. Isso já começou a acontecer. As curvas de juros futuros, que vinham caindo até então, já mostram mudança de tendência. Se o financiamento é mais caro, consumir e investir fica mais caro. E a atividade econômica tende a esfriar.


TERCEIRO OBSTÁCULO: DESEMPREGO

A velocidade de recuperação do mercado de trabalho deve ditar o ritmo do consumo. Por enquanto, a taxa de desemprego continua alta. Se o ambiente de incerteza se mantiver entre as empresas, o ritmo de contratações pode ser afetado.


QUARTO OBSTÁCULO: CONTAS PÚBLICAS

O ajuste fiscal continua um desafio para o governo. A meta para as contas públicas neste ano é de déficit de R$ 139 bilhões, mas já há analistas que calculam que o rombo será ainda maior. Com a política fiscal em desequilíbrio, o governo pode ser obrigado a fazer mais cortes de despesas, inclusive investimentos — este ano já foram quase R$ 40 bilhões — ou aumentar impostos, o que também pode ter impacto na atividade econômica.


QUINTO OBSTÁCULO: CÂMBIO

O sobe e desce da cotação do dólar é ruim para os negócios. Importadores e exportadores costumam se queixar da volatilidade, que dificulta o planejamento de compras e vendas. E, em outros momentos, uma alta prolongada do valor da moeda americana acabou afetando a inflação.


E DEPOIS?: RETOMADA

Se conseguir vencer esses obstáculos, a economia brasileira pode voltar a crescer normalmente a partir de 2018. Mas, em caso de recaída na crise, uma nova recessão em 2017 não está descartada. Por enquanto, as projeções ainda indicam resultado positivo nos dois anos.




Nenhum comentário: