terça-feira, junho 06, 2017

Quem ensinou quem a roubar?

Adelson Elias Vasconcellos


No texto de sexta-feira, comentamos rapidamente a afirmação do ex-presidente Lula, a de que  “o PT pode ensinar a combater a corrupção”. Pura desfaçatez. Nos treze anos em que o PT desgovernou o país, o que se viu foi justamente o contrário. Não apenas eles implementaram a corrupção em todas as esferas do poder federal, bem como a institucionalizaram. 

No Congresso em que o partido definirá seu presidente (ou seria “sua presidenta”?), o petista resolveu avançar ainda mais na sua eterna mania de esbravejar bobagens sem limites. Definiu a operação Lava Jato como “uma palhaçada” e, em seguida, classificou Joesley Batista, da JBS, como um “canalha”. 

A primeira questão que surge é: tem moral o senhor Lula da Silva para apontar o dedo contra quem quer que seja? Evidente que não. Seu passado o condena e o incrimina de tal forma que, de boca fechada, seria considerado um sábio.

Desde que assumiu, em 2003, a Presidência da República, de outra coisa não se cuidou senão de instalar em toda a esfera federal esquemas de corrupção. Basta-nos recapitular as dezenas de operações da Polícia Federal desmantelando esquemas que só passaram a existir de 2003 em diante.  Mais do que esquemas de desvios de recursos públicos destinados a comprar apoios legislativos e  empresariais, afora abastecer de forma espúria e criminosa o caixa do partido, o que se viu foram campanhas e mais campanhas de propaganda partidária com o intuito de convencer a opinião pública com o tal “nuncadantes”...

Claro que sabemos que a operação Lava Jato, por alguns de seus procuradores, cometeu pecadilhos que feriram os limites legais. Mas nada que a anule ou lhe tire a importância de por um fim na promiscuidade de agentes públicos consorciados e acumpliciados com empresários de má estirpe. Foi a Lava Jato que pôs a nu o petrolão, esquema que, não fosse a Petrobrás uma empresa estatal, certamente, a teria levado  à falência, pois à corrupção juntou-se, ainda, a gestão ruinosa da companhia. 

Hoje, sabemos que não se realizou nenhuma obra de grande ou médio porte, neste período, sem que sobre seu custo não se tenha aplicado o custo da corrupção, custo este que desviava, obrigatoriamente, um percentual para o PT. No mesmo sentido, o custo da Copa e da Olimpíada realizou-se muitas vezes acima do seu valor real, tudo  por consequência da mão grande que sobre estes eventos recaíram.

Assim, muito embora Lula afirmasse que seu partido poderia ensinar a combater a corrupção, o que se viu foi o partido ensinando o contrário, isto é, como roubar dinheiro público de forma permanente para alimentar não um projeto de país, mas um projeto de poder. Não é à toa que a economia foi à breca. 

Deste modo, fica claro a razão de Lula classificar a operação Lava Jato de “palhaçada”, uma vez que ela trouxe à baila  o verdadeiro caráter de Lula e seus asseclas, fossem eles políticos, sindicalistas ou até mesmo a tais “organizações sociais” que de sociais nada tinham, eram e são verdadeiras organizações criminosas. 

Quando a definir Joesley Batista como “canalha”, dizer o quê? Quem fez e construiu Joesley como canalha, além do bandido velho e cascudo,  foi o próprio Lula a partir de seu programa de “campeões nacionais". Cerca de R$ 10 bilhões em empréstimos via BNDES e Caixa Econômica Federal, a maioria a juros totalmente subsidiados e muitos dos quais dados sem as garantias que se exige de outros tomadores. Segundo o TCU, as operações Joesley x BNDES já produziram ao banco de fomento o prejuízo milionário de cerca de R$ 800 milhões. 

E acrescente-se: antes do PT chegar ao governo federal, não havia Joesley e todo o patrimônio que acumulou neste tempo.  Antes de Lula no poder, a JBS não passava de um frigorífico de médio porte, localizado em Goiás. Lula, portanto, não só alimentou um “canalha” com sua política irresponsável, mas o ajudou e financiou a montagem de um monopólio no ramo frigorífico, sufocando a atividade dos correntes que, ou fecharam as portas ou se renderam e transferiram a preço de banana suas indústrias para o “canalha” e sua trupe. . 

É provável que ao classificá-lo como “canalha”, Lula esteja se mirando no próprio espelho, além é claro,  de se sentir traído pelas delações do empresário que o envolverem juntamente com Dilma Rousseff. Se a JBS ganhou muito com Lula no poder, o petista, seu partido e satélites, também se locupletaram a não poder mais. 

Que a “palhaçada” da Lava Jato  acabe por levar Lula a julgamento e condenação por seus crimes (e que não foram poucos, não!), basta ver e conhecer as inúmeras delações feitas por políticos, empresários e servidores públicos, gente que se vendeu e se rendeu ao discurso do petista. E que Joesley, como “canalha e bandido” que sempre foi, comprove tudo o que disse e delatou sobre a corrupção instalada no poder pelo PT sob o comando de Lula da Silva.. 

Pena que a conspirata urdida por Rodrigo Janot, da PGR, ministro Edson Fachin,  do STF e abençoada pela ministra Carmem Lucia, presidente do tribunal, não permitirá que Joesley e Lula dividam e convivam na mesma cela. Ambos se merecem. 

A luta pelas Diretas
Ainda no Congresso do PT, Lula afirmou que é contra eleições indiretas, que vai se empenhar pelas diretas.  Sem surpresa. A gente sabe que Lula nunca cumpriu lei alguma, sempre se indispôs contra a Constituição, alimentado que sempre foi por seu espírito totalitário, basta ver como ocorrem as eleições para a presidência de seu partido: ele manda e os outros obedecem baixando a crista.  De democrata Lula nunca teve  nem o cheiro.



Nenhum comentário: